Atentado suicida mata 13 e fere ministro no Sri Lanka

(Atualiza número de vítimas) Nova Délhi, 10 mar (EFE).- Pelo menos 13 pessoas morreram e cerca de 30 ficaram feridas, entre elas um ministro do Governo cingalês, em um atentado suicida hoje perto da cidade de Matara, no sul do Sri Lanka, informou à Agência Efe um porta-voz militar.

EFE |

O suicida, que estava em uma bicicleta, se aproximou de uma multidão reunida nas proximidades de uma mesquita para celebrar o Muled (nascimento) do profeta Maomé e detonou a carga que levava às 10h30 (1h30, de Brasília), segundo a fonte, contatada por telefone.

Entre os feridos está o ministro de Projetos Especiais cingalês, Mahinda Wijesekara, de acordo com a mesma fonte, que não soube informar sobre a gravidade do estado do político.

Vários membros do Executivo estavam presentes nas celebrações da festividade muçulmana na cidade onde ocorreu o atentado.

O Ministério da Defesa atribuiu o ataque à guerrilha dos Tigres de Libertação do Tâmil Eelam (LTTE), que protagoniza intensos combates com as tropas governamentais no norte da ilha.

Segundo um comunicado divulgado no site do Ministério, o ataque aconteceu nos arredores da mesquita de Jumma, do município de Akurassa, perto de Matara.

Desde o início do ano, o Exército cingalês intensificou sua ofensiva contra os tigres tâmeis, que perderam o controle de grandes fatias de território, inclusive de seus redutos mais significativos.

Um porta-voz militar consultado recentemente pela Efe acusou os LTTE de tentar fazer ataques suicidas e táticas de infiltração entre as tropas.

A comunidade tâmil do Sri Lanka, minoritária e concentrada no norte e no leste da ilha, difere em língua e cultura da cingalesa, predominante no resto do país e que tem o controle governamental.

Os LTTE lutam contra o Governo do país para proclamar um Estado independente nas regiões em que a etnia tâmil é majoritária. EFE mb/rr-an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG