Por Khalid al-Ansary BAGDÁ (Reuters) - Atentados suicidas mataram 12 pessoas, sendo 7 soldados e policiais, nesta quinta-feira em Bagdá, a poucos dias de uma eleição regional que porá a prova a estabilidade do país.

Uma fonte do Ministério do Interior disse que outros 25 soldados ficaram feridos nos dois ataques de militantes suicidas com cinturões explosivos, em seções eleitorais onde as forças de segurança votavam antecipadamente.

Antes, uma bomba em uma calçada havia matado 5 civis e ferido 22 no bairro de Hurriya, zona noroeste da capital, segundo a mesma fonte.

Além de soldados, votam antecipadamente também presos e enfermos. O resto do eleitorado vai às urnas no domingo. Esta é a segunda eleição parlamentar plena desde a invasão norte-americana de 2003.

"Recuperamos o orgulho, a unidade, a soberania e a segurança do Iraque. Agora só precisamos completar a tarefa", disse o primeiro-ministro Nuri al Maliki a anciões tribais em Bagdá.

Os EUA disseram na quarta-feira que, exceto por circunstâncias excepcionais, estão mantidos os planos para que os 96 mil soldados norte-americanos ainda presentes no Iraque encerrem suas operações de combate em agosto, para completarem a desocupação até o final do ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.