Um atentado com carro-bomba deixou pelo menos 34 mortos e 72 feridos nesta quarta-feira à noite em um bairro pobre de Bagdá onde os moradores, predominantemente xiitas, faziam compras ou jantavam.

Este foi o atentado mais violento no Iraque em um mês, quando as explosões de três carros-bomba com alguns minutos de intervalo mataram 51 pessoas em Sadr City, no dia 29 de abril.

"Há 34 mortos e 72 feridos. O carro estava estacionado em frente a um restaurante e a um vendedor de sorvetes", indicou uma fonte do Ministério do Interior.

"A explosão foi registrada em um bairro com vários restaurantes e lojas. O carro-bomba estava estacionado em um local bastante movimentado", declarou uma fonte do Ministério da Defesa.

O registro de mortos foi confirmado por médicos dos três hospitais para onde as vítimas haviam sido levadas.

O carro-bomba explodiu pouco depois das 19h30 (13h30 de Brasília) no bairro de Chola, no noroeste da capital iraquiana, indicaram em um primeiro momento fontes dos serviços de segurança.

Depois de meses de violência em queda, o Iraque atravessa um período de retomada dos atentados e dos assassinatos, tendo como alvo principal a comunidade xiita majoritária no país.

Abril foi o mês mais sangrento no Iraque desde setembro de 2008, com 355 mortos, segundo dados oficiais. Bagdá e as províncias de Ninive (norte), da qual Mossul é a capital, e Diyala (centro) são os principais focos de violência.

O partido do primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki considerou que os últimos atentados "covardes" eram uma reação à prisão do suposto líder da Al-Qaeda no Iraque, Abu Omar al-Baghdadi.

Na segunda-feira, as autoridades iraquianas divulgaram um vídeo do interrogatório de um homem apresentado como Abu Omar al-Baghdadi, segundo os serviços iraquianos de segurança. Ele teria sido preso no dia 23 de abril, quando circulava de carro em Bagdá.

str-kat/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.