Atentado deixa 34 mortos durante visita de Robert Gates ao Iraque

O secretário americano da Defesa, Robert Gates, se encontrou com dirigentes americanos e locais nesta segunda-feira em Bagdá, na véspera da posse de um novo chefe da coalizão no Iraque, onde as forças iraquianas substituem pouco a pouco os militares americanos.

AFP |

No entanto, sua visita foi marcada por uma onda de atentados que deixou pelo menos 34 mortos, sendo 22 em um ataque perpetrado por uma camicase em Baladruz, ao nordeste de Bagdá.

"Estamos claramente em uma missão de transição", declarou Gates aos jornalistas que o acompanhavam em seu avião em Bagdá, referindo-se à substituição do general David Petraeus pelo general Raymond Odierno no comando das forças internacionais no Iraque.

Gates conversou com o premier iraquiano, Nuri al-Maliki, sobre o acordo que está sendo negociado entre os dois países sobre a presença americana no Iraque depois do dia 31 de dezembro de 2008, quando expira o mandato da ONU.

Ele também se encontrou com o número dois da força multinacional, o general Lloyd Austin, e com o chefe das milícias sunitas que passaram da insurreição à luta contra a rede Al-Qaeda.

Terça-feira, ele deve assistir à posse do general Odierno, um dos principais responsáveis pela captura do ex-presidente Saddam Hussein em 2003.

Nomeado recentemente chefe de Estado-Maior do Exército dos Estados Unidos, este militar de 54 anos é considerado próximo de seus homens, corajoso e exímio estrategista.

David Petraeus, por sua vez, assumirá o comando de todas as operações militares americanas no Oriente Médio e na Ásia Central. Ele será, portanto, o responsável pela supervisão das guerras conduzidas pelos Estados Unidos no Iraque e no Afeganistão.

"O maior desafio do general Odierno será trabalhar cada vez mais com os iraquianos para preservar, e até aumentar, os ganhos obtidos em matéria de segurança, à medida que o contingente americano for diminuindo no Iraque", resumiu Gates.

O Exército iraquiano já é responsável pela segurança de 11 das 18 províncias do Iraque, e o presidente George W. Bush anunciou na semana passada a retirada de 8.000 soldados americanos daqui ao mês de janeiro.

O secretário da Defesa elogiou o trabalho realizado pelo general Petraeus, "pai" da estratégia de contra-insurreição que levou a violência no Iraque ao nível mais baixo dos quatro últimos anos.

"Penso que ele desempenhou um papel histórico. O general Petraeus é claramente o herói do momento", enalteceu Gates.

David Petraeus disse recentemente que a violência no Iraque está se aproximando de um nível "normal". Em entrevista concedida sexta-feira à AFP, ele avisou, no entanto, que uma "ressurgência" da Al-Qaeda era possível.

Nesta segunda-feira, na cidade de Baladruz, uma mulher-bomba matou pelo menos 22 pessoas e feriu outras 30 ao acionar seu cinturão de explosivos na casa de um iraquiano que acabara de ser libertado de prisão e convidara dezenas de pessoas para o 'iftar', o jantar de interrupção do jejum do ramadã. De acordo com um general iraquiano, o atentado tem a marca da Al-Qaeda.

Pouco depois da chegada de Gates à capital iraquiana, 12 pessoas foram mortas e 32 ficaram feridas na explosão de dois carros-bombas no centro de Bagdá.

jm/yw

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG