Atentado com carro-bomba mata 17 pessoas na Síria

Dezessete pessoas morreram e outras 14 ficaram feridas neste sábado em um atentado com carro-bomba em Damasco, no ataque mais sangrento cometido na Síria desde os anos 80.

AFP |

Segundo os meios de comunicação oficiais, o veículo, com 200 kg de explosivos, estava estacionado em uma rua perto de um posto dos serviços de segurança, em um cruzamento que dá acesso ao aeroporto internacional de Damasco e ao túmulo de Sayyeda Zeinab, um lugar de peregrinação xiita.

"Dezessete pessoas morreram e 14 ficaram feridas", informaram a televisão e a agência de notícias Sana.

"Está claro que se trata de uma operação terrorista. Infelizmente, todas as vítimas são civis", afirmou na televisão o ministro sírio do Interior, o general Bassam Abdel Majid.

"A investigação dirigida pela unidade de combate ao terrorismo nos levará aos responsáveis pelo ataque", acrescentou.

O ministro sírio das Relações Exteriores, Walid Muallem, denunciou "um ato terrorista e criminoso" em declarações à rede de TV Al-Arabyia.

Muallem, que se encontrou neste sábado em Nova York com a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, em paralelo à Assembléia Geral da ONU, lamentou que o "terror" tenha "aumentado após a guerra lançada pelos Estados Unidos contra o terrorismo".

Muitos dirigentes mundiais, como os presidentes francês, Nicolas Sarkozy, russo, Dmitri Medvedev, e libanês, Michel Sleimane, condenaram o atentado. Sarkozy efetuou em setembro a primeira visita de um chefe de Estado ocidental à Síria nos cinco últimos anos.

O Irã também condenou duramente o ataque. Citado pela agência Irna, o porta-voz da chancelaria, Hassan Ghshghavi, denunciou um ato "terrorista e desumano" e expressou as condolências do povo iraniano às famílias das vítimas.

"Condenamos este atentado e apresentamos nossos pêsames às famílias das vítimas", também declarou o departamento de Estado americano.

A televisão síria mostrou imagens de carros queimados, de vidros quebrados e de prédios danificados pela explosão.

"A força da deflagração me projetou para fora da minha cama. Achei que fosse um terremoto. Graças a Deus as escolas e as repartições públicas estavam fechadas hoje, o que evitou um massacre maior", relatou uma testemunha.

Outra testemunha, em estado de choque, contou que um de seus amigos, um general do Exército sírio de 53 anos e seu filho de 20 anos, morreu na explosão "quando estava indo para o trabalho".

Este é o ataque mais sangrento desde os anos 80, quando atentados como este eram cometidos pelos Irmãos Muçulmanos.

Os Irmãos Muçulmanos da Síria também condenaram "firmemente" o atentado deste sábado. O chefe deste movimento, Ali Sadreddin al-Bayanuni, no exílio, disse à AFP que o ataque "pode ter sido cometido por pequenos grupos extremistas" ou até "ser a conseqüência de um confronto entre diferentes serviços de segurança".

A Síria foi palco de vários assassinatos e incidentes nos últimos meses.

Em agosto, o general Mohamed Sleimane, responsável pela segurança do Centro de estudos e de pesquisa científica sírio, foi assassinado.

Em 12 de fevereiro, Imad Mughnieh, alto representante do Hezbollah, morreu na explosão de seu carro em Damasco.

Além disso, em julho, as autoridades reprimiram um tumulto na prisão de Saydnaya, uma das maiores do país. Elas acusaram "condenados por crimes de terrorismo e extremismo" de ter provocado a rebelião que deixou 25 mortos, segundo uma ONG.

rm/yw-lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG