Atentado com caminhão-bomba mata mais de 60 pessoas no norte do Iraque

Um atentado com caminhão-bomba matou 64 pessoas e deixou pelo cerca de 200 feridos em uma cidade turcomana xiita do norte do Iraque, segundo um novo balanço divulgado pelo ministério da Saúde, a 10 dias da retirada americana das cidades do país.

AFP |

"O balanço do atentado suicida chega a 64 mortos e cerca de 200 feridos. As operações de busca continuam para encontrar as vítimas ou eventuais sobreviventes", segundo a fonte.

No necrotério de Taza, uma pequena cidade a 30 quilômetros de Kirkuk, o médico Chuker Abdala confirmou o balanço de vítimas.

Segundo a polícia de Kirkuk, cidade petroleira do norte do país, o caminhão estava estacionado a 400 metros da mesquita Rasul de Taza, localidade situada 220 km ao norte de Bagdá. Quinze casas foram destruídas e muitos moradores ficaram sepultados nos escombros.

O atentado aconteceu a 10 dias da retirada das tropas americanas das cidades e vilarejos iraquianos. A partir desta data, a manutenção da ordem será responsabilidade exclusiva do Exército e da polícia iraquianas.

Segundo um alto oficial da polícia de Kirkuk, que não quis se identificar, o caminhão transportava mais de uma tonelada de explosivos e tinha como alvo o bairro antigo de Taza.

"O ataque tem a marca da Al-Qaeda", afirmou.

"Os assassinos escolheram o momento em que os camponeses voltavam do campo e as casas desabaram com os moradores dentro. É um grande desastre cometido pela Al-Qaeda", afirmou à AFP Majid Ezzat, conselheiro provincial que estava perto da mesquita.

"Vi um caminhão passar em uma rua próxima e, alguns minutos depois, ouvi uma enorme explosão. O teto da minha banca desabou sobre minha cabeça", conta Akbar Zain al-Abidin, un comerciante de 40 anos cuja barraca ficou totalmente destruída.

Uma enorme cratera era vista no local, um terreno arenoso.

"Perdi dois familiares", lamentava Ghani Abbas, 28 anos, ferido na cabeça e nas pernas. Abbas já havia perdido dois irmãos em um ataque contra os peregrinos xiitas que viajavam à cidade sagrada de Kerbala, ao sul de Bagdá.

A comunidade turcomana, calculada em 800.000 pessoas, está presente sobretudo no norte do país.

Este foi o ataque mais violento no Iraque desde 29 de abril, quando as explosões de três carros-bomba em mercados de Sadr City, bairro miserável de Bagdá, deixaram 51 mortos.

Ao mesmo tempo, o Exército dos Estados Unidos abandonou neste sábado uma base no mesmo bairro, um antigo reduto da insurreição xiita, como parte da retirada das cidades iraquianas.

A saída aconteceu 10 dias antes de 30 de junho, data fixada pelos Estados Unidos e o Iraque para a retirada dos soldados americanos das aglomerações, onde estão há seis anos.

str/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG