Explosões aparentemente coordenadas deixaram ao menos 40 mortos e mais de 300 feridos em várias áreas de Bagdá

AP
Iraquiana que perdeu marido em ataque de domingo contra igreja em Bagdá segura retrato de casamento durante enterro
Uma série de explosões aparentemente coordenadas em várias áreas da capital do Iraque, Bagdá, deixaram ao menos 40 mortos e mais de 300 feridos nesta terça-feira, segundo fontes ligadas à polícia citadas pela BBC. Autoridades disseram que pelo menos 12 carros e bombas em estradas foram detonadas.

Como há muitos feridos em estado grave, o número de mortos pode aumentar. Os atentados, lançados em pelo menos sete bairros, parecem ter tido como alvo principalmente áreas xiitas da capital iraquiana.  Segundo autoridades, algumas das bombas foram posicionadas perto de cafés e restaurantes.

Os atos de violência aconteceram dois dias depois de pelo menos 52 pessoas terem morrido em Bagdá , após a invasão policial a uma igreja em que elas eram mantidas como reféns. O ataque, na véspera da festa de Todos os Santos, foi um dos mais violentos contra os cristãos do Iraque.

Segundo a BBC, os enterros das vítimas dos ataques de domingo haviam acabado quando as novas explosões aconteceram.

Na segunda-feira, o Exército americano desmentiu ter participado do assalto para pôr fim ao sequestro, afirmando que seus soldados apenas deram conselhos durante a operação.

"Não houve envolvimento de soldados americanos na ação para libertar os reféns", afirmou o coronel Barry Johnson, porta-voz do Exército americano. "Nossos primeiros conselheiros e soldados chegaram depois de as forças especiais iraquianas conduzirem a operação no interior da igreja", acrescentou.

Um dirigente do Ministério do Interior informou na segunda-feira que a maioria dos mortos no ataque à catedral, reivindicado pela ramificação iraquiana da Al-Qaeda, era de mulheres e crianças.

Vários sobreviventes afirmaram terem sido salvos por soldados americanos, o que desmentiria a versão do Johnson. "Acho que houve uma confusão entre as forças de segurança e as forças especiais iraquianas", disse o coronel, referindo-se ao fato de que as forças especiais iraquianas se vestem da mesma maneira que as unidades de elite americanas.

O comando militar americano no Iraque reconheceu ter fornecido ajuda, dizendo que "equipes de conselheiros" estavam "perto do local". "As forças americanas, por meio de conselhos e assistência, ajudaram com informações, vigilância e reconhecimento" as forças iraquianas, segundo um comunicado militar americano.

Papa lamenta violência

O Papa Bento 16 condenou na segunda-feira a "violência absurda e feroz" contra os civis indefesos no Iraque. "Rezo pelas vítimas dessa violência absurda e feroz que atingiu pessoas indefesas, reunidas na casa de Deus, que é um lugar de amor reconciliação", disse o potífice, em alusão ao ataque à igreja. "Expresso minha solidariedade afetuosa à comunidade cristã (iraquiana), de novo afetada", completou.

"Diante dos episódios atrozes de violência que continuam desgarrando as populações de Oriente Médio, quero renovar meu chamado à paz", afirmou.

Número de mortos

Com um total de 185 mortes, incluindo de 120 civis, o mês de outubro tornou-se o menos violento no Iraque desde novembrode 2009, segundo um balanço dos Ministérios da Saúde, Defesa e Interior.

*Com BBC, AFP e EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.