Ataques em Jacarta foram feitos por dois homens-bomba, diz polícia

JACARTA - As forças de segurança da Indonésia afirmaram que dois suicidas foram responsáveis pelos atentados contra hotéis de luxo em Jacarta, realizados nesta sexta-feira, que deixaram pelo menos oito mortos e cerca de 50 feridos.

Redação com agências internacionais |

AP
Explosão destruiu o restaurante do hotel Ritz-Carlton

Explosão destruiu o restaurante do hotel Ritz-Carlton

O chefe da polícia, general Bambang Hendarso Danuri, disse que outros responsáveis pelo massacre estão sendo procurados, enquanto equipes trabalham para identificar os corpos das vítimas.

Eles seriam  hóspedes de um dos hotéis havia alguns dias, passando-se por visitantes para romper o esquema de segurança.

A hipótese de que os homens-bomba teriam passado a noite nos hotéis já era trabalhada nas primeiras investigações. Agentes disseram ter desativado uma terceira bomba, que iria explodir em um quarto do hotel Marriott.

O presidente indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono, afirmou que os ataques foram obra de "um grupo terrorista", mas evitou citar a Jemaah Islamiya, braço da Al-Qaeda no Sudeste Asiático a quem foi atribuído um ataque anterior ao Marriott, em 2003.

Os ataques de Jacarta colocam fim a quase quatro anos de paz na Indonésia, a nação de maior população muçulmana do mundo, com cerca de 230 milhões de fiéis.

As explosões desta sexta-feira ocorreram por volta das 8h local (22h no horário de Brasília) e atingiram os hotéis Ritz Carlton e Marriott. Os dois estabelecimentos ficam no bairro de Kuningan e são muito frequentados por empresários e turistas.

Segundo a polícia, entre as vítimas do ataque estão cidadãos da Indonésia, dos Estados Unidos, da Austrália, da Coreia do Sul, da Holanda, da Itália, da Grã-Bretanha, do Canadá, da Noruega, do Japão e da Índia. A polícia afirmou que os ataques foram suicidas feitos com "bombas de alta potência".

Inicialmente a polícia tinha informado que nove pessoas haviam morrido, mas mais tarde reduziu o número para oito. Eles também esclareceram que uma explosão numa estrada ao norte da capital, que originalmente se pensava ser consequência de um carro-bomba, foi na verdade resultado do curto-circuito em um veículo.

Ainda não está claro como os agressores conseguiram passar por uma das seguranças mais rígidas da Indonésia, mas a emissora indonésia TVOne divulgou imagens do circuito fechado de TV que mostram o suspeito de ser o homem-bomba que atacou o Ritz-Carlton. Ele usava um boné e carregava uma mala com rodinhas pelo saguão do hotel.

(Com informações de Reuters, EFE, AP e AFP)

Leia mais sobre Indonésia

    Leia tudo sobre: atentadoindonésiaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG