Ataques dos EUA matam 7 em áreas tribais do Paquistão

Islamabad, 29 set (EFE).- Pelo menos sete pessoas morreram hoje em dois ataques com mísseis supostamente protagonizados por aviões não tripulados dos Estados Unidos no Waziristão do Norte e do Sul, redutos da insurgência talibã paquistanesa, informaram fontes oficiais.

EFE |

Quatro pessoas morreram em um ataque de um avião espião dos EUA na área de Danda Darpakhel, no Waziristão do Norte, segundo uma fonte oficial citada pelo canal de televisão privado "Dawn".

Horas antes, pelo menos três pessoas morreram e quatro ficaram feridas em outro ataque com mísseis dos EUA na vizinha Waziristão do Sul contra um suposto esconderijo de insurgentes na zona de Sararogha, segundo outra fonte oficial citada pela mesma TV.

Testemunhas citadas pelo canal "Geo" disseram que cinco insurgentes morreram neste último ataque.

Em Waziristão do Sul, região tribal fronteiriça com o Afeganistão, o Exército prepara uma ofensiva contra os fundamentalistas desde junho.

Os ataques de aviões espiões americanos são frequentes nas conflituosas regiões tribais paquistanesas, especialmente no Waziristão do Norte e do Sul, redutos dos talibãs, onde membros da rede terrorista Al Qaeda buscam abrigo.

A imprensa do país especulou durante os últimos dias sobre a possibilidade de que os EUA estendam estas ações à província do Baluchistão, onde algumas fontes militares afirmam que se encontra parte da cúpula talibã afegã, incluindo o mulá Omar, algo que as autoridades paquistanesas negam.

Apesar de serem rejeitadas em público, as ações dos aviões espiões americanos contam com o consentimento tácito de Islamabad, que compartilha com Washington informação de inteligência para realizar os ataques, segundo diversas fontes ddos dois países consultadas pela Agência Efe.

Em agosto, as Forças Aéreas do Paquistão começaram a fabricar seu primeiro avião não tripulado com a ajuda de uma empresa italiana, um pequeno modelo para funções de vigilância que inicialmente não terá capacidade de ataque, mas que não se descarta que incorpore essa opção a médio prazo. EFE igb-amp/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG