Ataques contra xiitas matam ao menos 36 no Iraque

MOSUL - Um suicida explodiu um carro e matou ao menos 30 pessoas enquanto fiéis deixavam uma mesquita muçulmana xiita no norte do Iraque nesta sexta-feira, informou a polícia, no mesmo dia em que uma série de bombas na capital Bagdá matou seis peregrinos xiitas.

Redação com agências internacionais |

Há uma semana, uma série de explosões do lado de fora de mesquitas xiitas em Bagdá matou 31 pessoas. Reuniões religiosas de xiitas são frequentes alvos de militantes sunitas islâmicos como a Al-Qaeda, que consideram os xiitas como hereges.

O ataque no norte do Iraque nesta sexta-feira ocorreu na cidade de Mossul, a 390 quilômetros a norte de Bagdá. Além dos mortos, ao menos 60 pessoas ficaram feridas e o número de óbitos pode aumentar, disse a polícia.

A insurgência no Iraque tem diminuído nos últimos 18 meses, mas continua inflexível em Mosul e em outras regiões. Os insurgentes são capazes de se esconder em regiões remotas ao redor de Mossul, e exploram as fronteiras entre os árabes e os curdos. Tiroteios e explosões são reportados diariamente na cidade.

Em Bagdá, bombas à margem de estradas explodiram enquanto micro-ônibus levavam muçulmanos xiitas para casa vindos de peregrinações.

Duas bombas explodiram dois micro-ônibus em diferentes incidentes no distrito empobrecido xiita de Sadr City. Três pessoas morreram e oito ficaram feridas numa das explosões, e uma morreu e sete ficaram feridas na outra.

Uma outra bomba explodiu mais um ônibus na região leste de Badgá, matando duas pessoas e ferindo outras nove, informou uma fonte hospitalar.

Dia de celebração xiita

Centenas de milhares de peregrinos comemoram nesta sexta-feira, em Kerbala, no Iraque, o aniversário de nascimento do ímã xiita Al-Mahdi, em meio a grandes medidas de segurança para evitar ataques.


Milhares de peregrinos xiitas celebram o aniversário
de Al-Mahdi em mesquita de Kerbala / Reuters

A circulação de veículos no interior da cidade foi proibida, enquanto 21 mil soldados e policiais, segundo fontes oficiais, controlam as entradas da cidade, a 120 quilômetros ao sul da capital.

Os milhares de peregrinos que vêm de outras províncias e do exterior chegam, em sua maioria, a pé.

Apesar das medidas de segurança, cinco pessoas morreram hoje em vários incidentes com bomba, dirigidos intencionalmente contra os peregrinos.

A cidade abriga vários lugares santos do xiismo como a mesquita de Al-Hussein e a de seu irmão Abbas, netos do profeta Maomé.

Os xiitas lembraram hoje o nascimento do 12º e último ímã xiita Al-Mahdi, conhecido também como "o oculto" ou "o esperado", que desapareceu misteriosamente no ano 876, quando tinha somente 8 anos.

Os xiitas acreditam que Al-Mahdi voltará para livrar o mundo das injustiças e impor uma nova ordem justa.

É a primeira vez que as tropas iraquianas se encarregam sozinhas da segurança do evento. As tropas americanas se retiraram das cidades do país no dia 30 de junho.

Leia mais sobre Iraque

    Leia tudo sobre: iraquexiitas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG