Ataque talebã mata cinco funcionários da ONU em Cabul

Pelos menos cinco funcionários da ONU morreram e nove pessoas ficaram feridas em um ataque do Talebã na capital afegã, Cabul, nesta quarta-feira, segundo informações do governo local. Outro atentado da milícia na capital afegã não deixou vítimas.

BBC Brasil |

No primeiro incidente, um total de pelo menos 11 pessoas morreram, incluindo os funcionários da ONU, em uma explosão seguida de um tiroteio em uma pensão usada pela ONU para a estadia de funcionários estrangeiros no centro da capital.

Relatos anteriores, de que 12 pessoas haviam morrido, entre elas seis funcionários da ONU, foram depois corrigidos pelas autoridades.

O porta-voz do ministério do Interior Zemarai Bashary, disse à BBC que pelo menos três homens armados e usando coletes com explosivos invadiram a pensão, localizada no distrito de Shan-e-War, no centro da cidade, por volta das 6h (horário local, 23h30 de terça-feira em Brasília).

Logo após a primeira explosão, a polícia cercou o local e houve intensa troca de tiros entre as forças afegãs e os militantes. Segundo Bashary, os três militantes foram mortos e a situação no local foi controlada.

Cerca de duas horas após o primeiro incidente, foguetes foram lançados contra o hotel Serena, um dos principais da capital afegã e utilizado por diplomatas e jornalistas internacionais.

Segundo o correspondente da BBC em Cabul Andrew North, os hóspedes foram levados para o porão do hotel para proteção, mas não houve registro de mortos ou feridos. No ano passado, um homem bomba detonou os explosivos dentro do Serena.

Um porta-voz do Talebã anunciou que o grupo assumiu a autoria do ataque contra a pensão e afirmou que se trata apenas do "primeiro passo" na campanha para prejudicar o segundo turno das eleições presidenciais no país, marcadas para sete de novembro. A ONU tem um papel importante na organização do pleito.

Insurgência
Os ataques ocorrem um dia depois que oito soldados americanos e um civil afegão que trabalhava para o grupo morreram em um atentado no sul do país.

As mortes tornaram o mês de outubro de 2009, que até a terça-feira registrava 55 vítimas fatais, no mais mortal para as forças americanas no Afeganistão desde o início das operações militares no país, em 2001.

Na segunda-feira, 11 soldados americanos e três civis morreram quando dois helicópteros se chocaram no sul do Afeganistão.

Ainda nesta quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve assinar um projeto de lei que autoriza o Exército americano a remunerar militantes do Talebã que renunciem à insurgência no Afeganistão.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG