Ataque suicida no paquistão deixa 36 mortos e mais de 250 feridos

(atualiza com novo número de vítimas e outros detalhes) Islamabad, 27 mai (EFE).- Pelo menos 36 pessoas, várias delas membros das forças de segurança, morreram hoje e 250 mais ficaram feridas em um atentado suicida precedido de disparos em uma movimentada área da cidade paquistanesa de Lahore (leste), informou à Agência Efe uma fonte policial.

EFE |

A potente explosão, que aconteceu às 10h30 (1h30 de Brasília), destruiu um edifício dos serviços de emergência da Polícia e danificou muitos outros, entre eles uma importante delegacia, um escritório dos serviços secretos e o tribunal superior da cidade, segundo a fonte.

As autoridades temem que algumas pessoas possam estar ainda presas entre os escombros.

O ataque foi perpetrado no centro de Lahore por um suicida em um veículo carregado de explosivos que jogou contra os escritórios dos serviços de emergência, segundo uma fonte oficial citada pela rede "Dawn".

A explosão, que pôde ser escutada em boa parte da cidade, causou uma cratera de seis metros de profundidade e destruiu várias dezenas de veículos e postes da rede elétrica.

As forças de segurança isolaram muitas das avenidas contíguas ao local do atentado, enquanto as autoridades hospitalares declararam uma emergência nos centros de saúde e estão pedindo aos cidadãos que doem sangue.

O primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gillani, já condenou o ataque, bem como o presidente, Asif Ali Zardari, e ordenaram a abertura de uma investigação para esclarecer os fatos.

Lahore, considerada a capital cultural do país, foi palco de dois ataques em março deste ano perpetrados por comandos terroristas, um contra o comboio da seleção nacional de críquete do Sri Lanka e outro contra uma academia policial.

O Exército realiza atualmente uma operação militar a grande escala contra a insurgência talibã no vale nortista de Swat e outros distritos contíguos que causou a morte de mais de 1,1 mil fundamentalistas desde o final de abril, segundo cálculos militares.

"Estamos tentando conter as atividades terroristas, mas sempre podem ser registrados fatos esporádicos", declarou aos meios de imprensa o ministro do Interior, Rehman Malik.

Malik lembrou que o líder dos talibãs paquistaneses, Baitula Mehsud, tinha ameaçado com atentados se a operação militar em curso não fosse detida. EFE igb-daa/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG