Ataque suicida no Cáucaso russo deixa pelo menos 17 mortos

Explosão de carro-bomba em mercado da capital da República da Ossétia do Norte também deixa mais de 130 feridos

iG São Paulo |

Um atentado suicida lançado nesta quinta-feira em um mercado de Vladikavkaz, capital da República da Ossétia do Norte, no instável Cáucaso russo, deixou pelo menos 17 mortos, incluindo o suicida, segundo o balanço mais recente da procuradoria dessa república.

O ataque, que também deixou mais de 130 feridos, foi um dos piores nessa região em anos. Dos feridos, 98 estão hospitalizados, muitos em estado grave.

"Quinze pessoas morreram", declarou à AFP a porta-voz do comitê de investigação da procuradoria, Maria Gatsoeva. De acordo com ela, a explosão do carro-bomba teve uma potência equivalente a 30 a 40 quilos de TNT. Segundo o presidente da região, Taimuraz Mamsurov, a ação foi realizada por um suicida que detonou seu carro ao chegar ao mercado.

AFP
Investigadores examinam local de explosão perto de mercado em Vladikavkaz, na russa Ossétia do Norte
A explosão do carro-bomba aconteceu ao meio-dia (5 horas em Brasília). A Justiça russa abriu uma investigação por "ato de terrorismo".

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, condenou a ação, lançada no último dia do mês de jejum dos muçulmanos, o Ramadã, para muitos países. "Atentados como o que ocorreu hoje no Cáucaso Norte buscam semear o ódio entre nossos cidadãos. Não podemos permiti-lo", disse Putin.

"Os que cometem esses crimes são pessoas desalmadas, sem coração, para quem nada é sagrado. Nosso dever comum é lutar contra esses criminosos", disse Putin durante uma reunião com o presidente do conselho de Muftis da Rússia, Ravil Gainutdin.

O chefe do governo ressaltou que os ataques terroristas despertam uma enérgica rejeição na comunidade muçulmana da Rússia, onde 20 milhões de pessoas praticam o islamismo.

"Esperamos que os muçulmanos russos contribuirão decisivamente nessa luta. Conheço a atitude dos muçulmanos com relação a tais crimes. Sentimos seu apoio, sobretudo no Cáucaso, e estamos agradecidos por isso", especificou.

Esse é o quarto atentado terrorista no mercado central de Vladikavkaz nos últimos 11 anos. O mais grave foi o de 19 de março de 1999, quando uma bomba deixou 52 mortos e 168 feridos.

Explosivos encontrados

Além da explosão da Ossétia do Norte, funcionários encontraram explosivos em uma central hidrelétrica no Daguestão, uma das mais instáveis regiões do Cáucaso, onde foram aparentemente colocados com a intenção de provocar uma explosão, informaram nesta quarta-feira as agências de notícias russas.

Um artefato caseiro foi encontrado depois de um princípio de incêndio na central de Irganaiaskaia, na terça-feira à noite, segundo a RIA Novosti, citando fontes de segurança locais. A bomba havia sido colocada sob as instalações da unidade principal da central. "(O artefato) estava conectado a um detonador elétrico. Aparentemente deveria explodir", disse a mesma fonte, citada pela agência.

Especialistas dos serviços especiais russos (FSB) conseguiram desativar a bomba. O gabinete regional do Ministério de Situações de Emergência havia indicado mais cedo que um acidente técnico provocara o incêndio na central, destacando que não havia nenhum sinal de crime ou terrorismo.

A agência Interfax, no entanto, cita um dirigente dos serviços de segurança afirmando que um dos funcionários da central desapareceu pouco antes do fogo começar. A polícia está à sua procura.

*Com AFP e AP

    Leia tudo sobre: rússiacáucasocarro-bombaataquevladimir putin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG