Militante detona explosivos em centro assistencial e fere dezenas; atentado pode ser o primeiro de uma mulher-bomba no país

Um suicida usando uma burca detonou explosivos que levava junto ao corpo dentro de um lotado centro de distribuição de ajuda assistencial no noroeste do Paquistão neste sábado, deixando pelo menos 43 mortos e 90 feridos, disseram autoridades.

Paramédicos e parentes transportam ferido no hospital Lady Reading em Peshawar, Paquistão
AP
Paramédicos e parentes transportam ferido no hospital Lady Reading em Peshawar, Paquistão
Até o momento, as informações sobre a identidade do terrorista de Khar, na região paquistanesa de Bajaur, perto da fronteira com o Afeganistão, são desencontradas: algumas autoridades afirmam que o ataque foi perpetrado por uma mulher, enquanto outras acreditam que foi um homem disfarçado com uma burca.

"O número de mortos pode crescer, uma vez que muitos dos feridos estão em situação grave", afirmou Dostin Rehman, que trabalha em um hospital público em Bajaur, à Reuters.

De acordo com testemunhas, o agressor arremessou granadas na multidão, que se reunia para receber doações do Programa Mundial de Alimentos (PMA), antes de acionar a bomba em seu corpo e provocar a explosão.

O primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gillani, qualificou o ataque como "uma atividade brutal de insurgentes que não têm respeito pelo ser humano e pela religião".

Gillani destacou que os fundamentalistas estão fugindo porque "o povo valente do Paquistão está unido contra eles", segundo um comunicado oficial.

Bajaur é uma das sete demarcações que formam as Áreas Tribais Administradas Federalmente (Fata), um território instável e limítrofe com o Afeganistão, no qual membros de facções do Taleban e outros grupos extremistas, como a rede Al-Qaeda, buscam refúgio.

Bombardeio

Em outro episódio, 40 militantes morreram em Mohmand, outro distrito tribal, em uma série de bombardeios com helicópteros, de acordo com as autoridades.

"Desde sexta-feira, as forças de segurança do Paquistão realizam ataques contra refúgios de insurgentes com helicópteros equipados com metralhadoras. Matamos 40 militantes", declarou Amjad Ali Khan, alto funcionário do governo.

As forças paquistanesas lançaram uma operação nos vilarejos de Baizai e Lakro como retaliação a uma série de ataques coordenados contra cinco postos de controle na sexta-feira, que matarm 11 soldados paramilitares e 24 insurgentes.

* Com AP, EFE, AFP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.