Por Zeeshan Haider ISLAMABAD (Reuters) - Um grupo de 14 pessoas foi morto na região do Waziristão do Norte, no noroeste do Paquistão, nesta sexta-feira, em um ataque com míssil realizado por um avião-robô dos EUA contra supostos militantes, nas proximidades da fronteira com o Afeganistão, disseram autoridades da área de segurança.

A investida, ocorrida perto da cidade de Miranshah, é a primeira do tipo desde um recente período de tensão entre o Paquistão e os EUA devido a diferenças sobre como enfrentar o Taliban e a Al Qaeda do lado paquistanês da fronteira.

'Confirmamos o ataque com míssil por volta das 5h30 da madrugada (20h30 de quinta-feira em Brasília). Nós informamos o governo a respeito', disse o major Murad Khan, porta-voz das Forças Armadas do Paquistão.

Os militares paquistaneses, aparentemente relutantes em divulgar esses casos de violação de soberania, raramente confirmam a ocorrência de ataques do tipo.

Khan não ofereceu maiores detalhes, mas autoridades da área de segurança na região disseram que 14 pessoas tinham sido mortas e pouco mais de dez, feridas.

Segundo moradores da região, dois mísseis foram disparados contra uma antiga escola pública onde militantes e suas famílias estavam morando.

A intensificação da insurgência no Afeganistão alimentou temores de que a situação saia de controle sete anos depois de forças lideradas pelos EUA terem derrubado do poder o Taliban.

Essa preocupação fez aumentarem as pressões para que o Paquistão combata os militantes que atuam desde esconderijos existentes no território localizado perto da fronteira com o Afeganistão, incluindo aí o Waziristão do Norte.

Em agosto, as forças de segurança intensificaram suas operações em duas áreas: a região de Bajaur, na fronteira com o Afeganistão, e o vale de Swat, na Província da Fronteira Noroeste.

Centenas de pessoas foram mortas nos combates, entre as quais cem militantes em Bajaur, na quinta-feira, disseram as Forças Armadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.