Ataque no Afeganistão não vai atrapalhar pleito, dizem EUA

O ataque em Cabul que matou nesta quarta-feira pelo menos 11 pessoas, entre elas cinco funcionários da ONU, não vai conseguir atrapalhar as eleições presidenciais no Afeganistão, disse o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs.

BBC Brasil |


Policiais resgatam feridos em ataque / Reuters

"A administração (americana) acredita que existem os recursos necessários para conduzir a eleição e que a vontade do povo afegão não será diminuída", afirmou ele.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, condenou "veementeente" o atentado e afirmou que "os EUA permanecem firme no apoio à ONU e seu trabalho vital no auxílio do povo afegão".

O segundo turno das eleições presidenciais no Afeganistão - disputadas pelo atual presidente, Hamid Karzai, e pelo ex-chanceler Abdullah Abdullah, estão marcadas para sete de novembro.

Intimidação

O presidente afegão Hamid Karzai classificou-o de "ato desumano", e o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que ele não iria deter o que chamou de "a nobre missão" da entidade no Afeganistão. "Estamos do lado do povo afegão hoje e estaremos amanhã", disse ele.

Ban afirmou que vai rever as medidas de segurança no Afeganistão e tomar todas as medidas necessárias para proteger seus funcionários no país.

A tensão tem aumentado no Afeganistão desde o primeiro turno das eleições presidenciais em agosto, que foi marcada por episódios de fraude.

O correspondente da BBC em Cabul Ian Pannell afirmou que o ataque desta quarta-feira é claramente uma tática do Taleban para intimidar os funcionários da ONU para que estes não exerçam suas funções no período que antecede as eleições.

Leia mais sobre Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistãoonutaleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG