Taleban assume responsabilidade por atentado contra integrantes de milícias que lutam contra o grupo em Peshawar

Calçados de vítimas são vistos no local do ataque em Peshawar
Reuters
Calçados de vítimas são vistos no local do ataque em Peshawar

Um ataque suicida em um funeral deixou ao menos 36 mortos e mais de cem feridos nesta quarta-feira em Peshawar, no noroeste do Paquistão. O Taleban paquistanês assumiu a responsabilidade pelo ataque, que aconteceu durante o funeral da mulher de um integrante de uma milícia anti-Taleban no bairro de Adezai, na periferia da cidade.

O policial Zahid Khan disse que cerca de 300 paquistaneses participavam do funeral quando a explosão aconteceu. Imagens de televisão mostravam homens recolhendo calçados sujos de sangue em meio à poeira.

Testemunhas afirmaram que o homem-bomba, que aparentava ser adolescente, chegou ao local logo no início do funeral. "Pensamos que o jovem participaria da cerimônia, mas de repente ele detonou a bomba", afirmou o sobrevivente Syed Alam Khan.

Em entrevista à agência Associated Press, o prota-voz do Taleban, Ahsanullah Ahsan, afirmou que os integrantes das milícias são considerados alvos por causa da aliança com o governo paquistanês e os Estados Unidos. "Vamos continuar com os ataques enquanto eles não pararem suas atividades", disse.

As autoridades paquistanesas encorajam a atuação das mílicas anti-Taleban, conhecidas como "comitês de paz". O primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gillani, emitiu um comunicado oficial condenando o ataque e reiterando a vontade de seu governo de acabar "com o câncer do terrorismo".

Na terça-feira, um ataque suicida em um posto de gasolina deixou ao menos 25 mortos em Faisalabad, na província oriental de Punjab. O atentado destruiu vários edifícios, mas não a sede do serviço secreto, que seria o alvo dos insurgentes.

Com AP e EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.