Ataque de Israel mata mais de 140 em Gaza, dizem médicos

Por Nidal al-Mughrabi GAZA (Reuters) - A força aérea israelense disparou cerca de 30 mísseis contra a Faixa de Gaza neste sábado, destruindo instalações policiais do Hamas e matando mais de 140 pessoas, segundo autoridades médicas e testemunhas.

Reuters |

Os militares israelenses confirmaram que realizaram ataques e disseram que que os alvos eram "infra-estrutura terrorista". Eles afirmaram que caso necessário continuarão e ampliarão a ofensiva.

O Hamas prometeu vingar o que chamaram de "carnificina israelense."

Autoridades médicas disseram que 120 pessoas haviam sido mortas na Cidade de Gaza, e outras 23, em Khan Younis e Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

Uma fumaça preta e espessa saía da Cidade de Gaza, onde o porto e instalações da área de segurança do Hamas foram severamente danificados.

Imagens de TV mostravam corpos no chão, e mortos e feridos sendo carregados do local. Vários edifícios foram atingidos.

Islam Shahwan, porta-voz da polícia do Hamas, declarou que numa das instalações policiais de Gaza atacadas realizava-se uma cerimônia de graduação. De acordo com a rádio, Tawfiq Jabber, chefe da polícia, está entre os mortos.

Corpos eram empilhados, e feridos se contorciam em dor. Os que mostravam sinais de vida eram levados para carros e ambulâncias.

Alguns dos que faziam o resgate batiam na própria cabeça e gritavam: "Allahu akbar" (Deus é grande). Testemunhas disseram que os ataques foram realizados por aviões e helicópteros de combate.

"Todos os combatentes têm a ordem de responder a carnificina israelense", diz um comunicado do Jihad Islâmico. Hamas e outros grupos armados se pronunciaram no mesmo sentido.

Um assessor de Ehud Barak, ministro da Defesa de Israel, declarou que os militares estão preparados para intensificar as ações, se necessário.

"A operação será realizada e ampliada de acordo com a necessidade", afirmou o assessor à Reuters. "Estamos enfrentando um período que não vai ser fácil ou simples."

Uma trégua de seis meses terminou em Gaza há uma semana. Na quinta-feira, o premiê de Israel, Ehud Olmert, alertou o Hamas para que parasse de disparar foguetes contra alvos israelenses ou então que enfrentasse as consequências.

Uma dezena de foguetes foi disparada de Gaza na sexta-feira. Um matou de forma acidental, no norte de Gaza, duas crianças palestinas, segundo médicos.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG