Bombardeio aéreo matou 21 integrantes da rede Haqqani, ligada ao Taleban, segundo agência de inteligência paquistanesa

O ataque de um avião não-tripulado dos Estados Unidos deixou ao menos 21 mortos nesta quarta-feira na região do Waziristão do Norte, no noroeste do Paquistão. Os mortos seriam insurgentes islâmicos, de acordo com o serviço de inteligência paquistanês.

O alvo do ataque foi uma casa três quilômetros a leste da cidade de Miransah, onde supostamente estavam membros da rede Haqqani, ligada ao Taleban.

"Os mortos incluem paquistaneses e também alguns cidadãos árabes e uzbeques", disse uma fonte de inteligência no Waziristão do Norte, que não quis ser identificada.

Foi o maior bombardeio norte-americano desde 12 de julho, quando aviões não-tripulados dos EUA mataram 48 supostos militantes na mesma região.

Os ataques com aviões não tripulados nas áreas tribais paquistanesas que fazem fronteira com o Afeganistão, um reduto da insurgência Taleban e de redes jihadistas, são um dos principais motivos de tensão entre Washington e Islamabad.

Desde que Barack Obama chegou à presidência dos EUA, em 2009, este tipo de ataques aumentou, até chegar ao recorde de 118 no ano passado.

A relação entre EUA e Paquistão piorou em maio, quando operação unilateral americana matou Osama bin Laden em território paquistanês.

Com EFE, Reuters e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.