Ataque a hotel no Paquistão deixa ao menos 60 mortos

ISLAMABAD - Um possível carro-bomba causou uma enorme explosão fora do hotel Marriot, na capital paquistanesa, neste sábado, e pelo menos 60 pessoas morreram e 250 ficaram feridas.

Redação com agências |

AP

Carros ficam completamente destruídos em incêndio

O ataque aconteceu pouco depois do novo presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, ter feito seu primeiro pronunciamento em uma sessão conjunta do Parlamento do país. Ele prometeu que o Paquistão não tolerará qualquer invasão de seu território em nome da luta contra o terrorismo, embora tenha dito que a força é apenas "o último recurso".

O hotel, muito frequentado por turistas e empresários, corre o risco de desabar por causa do incêndio surgido após a explosão, que pôde ser ouvida a vários quilômetros de distância.

Uma fonte da segurança do empreendimento, citada pela agência estatal "APP", disse que um caminhão que transportava mil quilos de explosivos foi detonado nas imediações do edifício, cuja entrada ficou completamente destruída.

O ataque foi o maior já cometido contra alvos ocidentais na capital paquistanesa, onde nos últimos seis meses também ocorreram atentados contra um restaurante italiano e a embaixada dinamarquesa.

Até agora nenhum grupo reivindicou a autoria do atentado, mas há suspeitas de que um grupo fundamentalista islâmico esteja por trás da ação terrorista.

Segundo testemunhos coletados pelo canal "Geo TV", pouco antes da explosão, um homem desceu de um pequeno veículo em frente ao cordão de segurança da entrada do hotel e avisou aos presentes que eles tinham três minutos para fugir e salvar suas vidas.

A detonação dos explosivos, que aconteceu logo em seguida, formou uma cratera de nove metros de diâmetro no chão.

As forças de segurança precisaram de várias horas para evacuar o edifício. Além disso, tiveram que pedir a intervenção do Exército para tentar resgatar cerca de 15 pessoas ficaram presas em meio às chamas do edifício.

Os feridos foram transferidos para diferentes hospitais da capital, que se encontra em estado de emergência. Imagens divulgadas pelas emissoras mostraram um cenário desolador no luxuoso hotel, que apareceu com paredes rachadas, partes desabadas, vidros quebrados e móveis destruídos.

Hotel já havia sido alvo anteriormente

Localizado no coração de Islamabad e palco de frequentes encontros diplomáticos e eventos, o Marriott já tinha sido alvo de ataques no passado, por isso possuía rígidas medidas de segurança.

O estabelecimento fica muito perto da avenida em que está localizada grande parte dos edifícios importantes da cidade, como o Parlamento, a sede da Presidência e a residência do primeiro-ministro.

"Lamentamos a morte de tantos seguranças [as principais vítimas]. Por sorte, o veículo não conseguiu entrar no hotel", declarou um representante do grupo hoteleiro.

Também neste sábado, outros dois atentados contra comboios militares deixaram oito vítimas no noroeste do país.

As últimas semanas foram especialmente sangrentas no Paquistão, com vários atentados em todo o país, a maioria deles reivindicados pelo movimento Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP), que reúne os grupos talibãs locais.

O TTP destacou recentemente que os ataques continuarão até que o Governo ponha fim às operações que o Exército promove atualmente contra os insurgentes nas áreas mais conflituosas do noroeste paquistanês. 

Leia mais sobre: Paquistão

    Leia tudo sobre: atentado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG