Astronautas substituem sistema de estabilização do Hubble

Por Chris Baltimore HOUSTON (Reuters) - Às voltas com um teimoso equipamento, astronautas substituíram na sexta-feira os giroscópios que garantirão ao telescópio Hubble a estabilidade necessária para observar as galáxias distantes.

Reuters |

A substituição dos seis giroscópios era uma prioridade para a tripulação do ônibus espacial Atlantis nesta missão de 11 dias, a quinta e última viagem da Nasa para fazer a manutenção do telescópio antes da aposentadoria dos ônibus espaciais, em 2010.

A Nasa espera que as melhorias mantenham o Hubble operacional até pelo menos 2014, para que ele possa funcionar em conjunto com seu futuro substituto, o Telescópio Espacial James Webb.

O Hubble acabou ficando com cinco novos giroscópios, preparados para evitar a corrosão que atingiu os modelos anteriores, e com um sexto giroscópio reformado, porém mais antigo e mais sujeito a falhas.

Com três giroscópios, o Hubble já conseguiria se fixar nos seus alvos celestiais com a mesma precisão que um raio laser atingindo uma moeda a 320 quilômetros da distância. Os três outros são sobressalentes.

Foi o segundo dia de caminhadas espaciais marcadas por problemas técnicos. Na quinta-feira, um parafuso emperrado quase impediu os astronautas de instalarem uma nova câmera de campo amplo, que permitirá ao telescópio ver as coisas com mais proximidade nos confins do universo.

A frustração era evidente na saída ao espaço de sexta-feira dos astronautas Michael Massimino e Michael Good, que durou quase oito horas e foi a oitava mais longa da história.

"Senti como se estivesse alinhado duas vezes, mas ele simplesmente não queria ir", disse Massimino por rádio aos seus colegas no ônibus e no centro de controle, enquanto trabalhava dentro do telescópio para instalar os novos giroscópios.

"Sei que é meio frustrante", respondeu o astronauta Dan Burbank no centro de controle. "Tomara que tenhamos mais sorte."

Os engenheiros da Nasa acabaram optando por instalar o modelo antigo, que havia sido removido do telescópio durante uma missão em 1999.

Massimino e Good também substituíram três baterias do Hubble. As três outras devem ser substituídas na última caminha espacial da missão, na segunda-feira.

(Reportagem adicional de Irene Klotz)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG