Astronautas completam laboratório japonês na Estação Espacial

CABO CANAVERAL - Dois astronautas saíram para o espaço na segunda-feira para dar os retoques finais ao laboratório de pesquisas do Japão na Estação Espacial Internacional, na quinta e última saída ao espaço antes do retorno para a Terra do ônibus espacial Endeavour.

Reuters |

Flutuando a 360 quilômetros de distância da Terra, os astronautas Chris Cassidy e Tom Marshburn equiparam a nova plataforma externa de experimentos do Japão com câmeras de vídeo, concluindo o complexo Kibo, que custou 2,4 bilhões de dólares.


Complexo japonês foi concluído nesta segunda-feira / AFP

Eles também mudaram a fiação de um circuito do sistema de direção da estação e consertaram a cobertura térmica de um robô de construção canadense.

O ônibus está previsto para deixar a estação espacial na terça-feira. Na visita de 11 dias, os astronautas do Endeavour também muniram o Kibo de uma plataforma para telescópios e outros experimentos científicos que operam no ambiente espacial aberto.

Eles substituíram baterias no sistema de energia solar da estação e entregaram peças avulsas necessárias para manter a estação operacional depois de a frota de ônibus espaciais ser aposentada, em 2010.

Um dos astronautas do Endeavour, Tim Kopra, vai permanecer na estação, tomando o lugar do japonês Koichi Wakata, que está em órbita há 4,5 meses.

Wakata disse no domingo que, ao retornar à Terra, está ansioso por tomar um banho quente e comer sushi fresco e macarrão.

A Nasa tem mais sete missões de construção e reabastecimento previstas para completar a Estação Espacial, um projeto de 100 bilhões de dólares envolvendo 16 países.

O lançamento do próximo ônibus espacial está previsto para o final de agosto, mas está na dependência do resultado de investigações sobre a razão de o tanque de combustível do Endeavour ter soltado uma quantidade incomum de espuma durante o lançamento da nave, em 15 de julho.


Endeavour deve deixar a Estação Espacial Internacional nesta terça / Reuters

Quaisquer impactos do material sobre o Endeavour parecem ter sido mínimos, mas suscitam problemas possivelmente sérios para missões futuras.

A Nasa se preocupa com o impacto de detritos desde o desastre do Columbia, em 2003, quando um pedaço de espuma caiu do tanque durante o lançamento, danificando o escudo térmico do ônibus e desencadeando uma série de eventos que levou à perda do ônibus espacial e à morte de sete astronautas, no momento em que a nave atravessava a atmosfera para aterrissar.

Leia mais sobre exploração espacial

    Leia tudo sobre: endeavour

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG