Assinatura de acordos com Lula e Chávez vira ato político pró-Morales

O presidente da Bolívia, Evo Morales, firmou nesta sexta-feira, em Riberalta, dois acordos de cooperação, que totalizam 530 milhões de dólares, com seus colegas Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez (Venezuela), que deram, desse modo, um forte apoio a seu governo.

AFP |

Do Brasil, Morales recebeu um crédito de 230 milhões de dólares para construir um trecho da estrada bioceânica, que unirá La Paz a Porto Velho; e, da Venezuela, outros 300 milhões para infra-estrutura viária e produtiva.

Durante o ato nessa pequena cidade do extremo nordeste da Bolívia e perto da fronteira com o Brasil, que reuniu cerca de 5.000 pessoas em um estádio local, os três presidentes fizeram um apelo pela unidade latino-americana, pela integração e pelo desenvolvimento regional.

Lula e Chávez aproveitaram a oportunidade para dar seu apoio a Morales, que porá o cargo em jogo, no dia 10 de agosto, em um referendo revogatório, junto com o do vice-presidente e os dos nove governadores do país, sete deles duros opositores.

"Quando vi um povo boliviano que elegia um índio para ser presidente do país (pensei que) a tua eleição (dirigindo-se a Morales) talvez tenha sido muito mais significativa do que a eleição de um metalúrgico no Brasil", elogiou Lula.

"Aqui estamos, Lula e este humilde servidor, para dizer que estamos com Evo e apoiaremos enquanto pudermos o processo da nova Bolívia, do renascimento dessa pátria", disse Chávez.

Morales agradeceu aos colegas pela presença e garantiu que "o processo de mudança", promovido por ele há dois anos, "é irreversível".

jac/tt/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG