Assessor nega que Obama tenha sido ingênuo ao falar de Jerusalém

Por Claudia Parsons NOVA YORK (Reuters) - O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, fez mau uso de uma palavra-chave do mundo da política do Oriente Médio quando disse que Jerusalém deveria ser a capital indivisa de Israel, mas isso não significa que conheça pouco de questões internacionais, afirmou um assessor dele na terça-feira.

Reuters |

Discursando diante de um grupo lobista pró-Israel neste mês, Obama afirmou: 'Jerusalém continuará a ser a capital de Israel e precisa continuar indivisa'.

O comentário deixou indignados os palestinos, que querem fazer de Jerusalém Oriental (a parte árabe da cidade ocupada por Israel na guerra de 1967) a capital de um futuro Estado seu.

'Ele fechou todas as portas à paz', afirmou o presidente palestino, Mahmoud Abbas, depois do discurso de 4 de junho.

Mais tarde, Obama disse que os palestinos e os israelenses precisavam negociar o status futuro da cidade, citando assim a postura adotada historicamente pelo governo norte-americano a respeito.

Daniel Kurtzer, que aconselha o democrata em questões relativas ao Oriente Médio, disse na terça-feira, ao Fórum Político de Israel, que o comentário de Obama resultou de 'uma imagem existente na mente dele sobre uma Jerusalém de antes de 1967, uma cidade com arames farpados, terrenos minados e zonas desmilitarizadas'.

'Então, usou uma palavra para representar o que não desejava ver de novo. Mas percebeu depois que essa é uma palavra-chave no Oriente Médio', disse Kurtzer.

Em 1995, o Congresso norte-americano aprovou uma lei descrevendo Jerusalém como a capital de Israel e dizendo que a cidade não deveria ser dividida. Mas vários presidentes norte-americanos usaram seu peso internacional para manter a Embaixada dos EUA em Tel Aviv e dar apoio a negociações entre os israelenses e os palestinos a fim de decidir o destino de Jerusalém.

Na prática, a política externa dos norte-americanos alinha-se com a da Organização das Nações Unidas (ONU) e a de outras grandes potências mundiais, que não consideram Jerusalém a capital de Israel e que não reconhecem a anexação de Jerusalém Oriental ocorrida depois da Guerra dos Seis Dias (1967).

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG