Assessor especial da ONU critica promoção de biocombustíveis

O economista americano Jeffrey Sachs, assessor especial do secretário-geral da ONU, pediu hoje a redução dos programas americano e europeu de promoção dos biocombustíveis que, segundo ele, não têm sentido ante a crise alimentar mundial.

AFP |

"Devemos reduzir de forma significativa nossos programas de biocombustíveis, compreensíveis quando os preços dos alimentos eram muito mais baixos e as reservas de alimentos maiores. Não têm sentido hoje em dia, em condições de fome mundial", declarou Sachs durante entrevista à imprensa no Europarlamento em Bruxelas.

Sachs reconheceu que o impacto do programa americano era mais significativo, embora tenha destacado que os biocombustíveis europeus - limitados no momento, mas que devem aumentar 10% em 2020 - também tenham um "verdadeiro impacto".

"Recomendaria pelo menos uma revisão dos dois (programas, o americano e o europeu) em função das novas condições do mercado", insistiu o assessor especial de Ban Ki-moon encarregado dos Objetivos do Milênio para o Desenvolvimento.

Sachs, que vinculou a crise alimentar ao aumento da demada e às catástrofes climáticas, pediu que o problema não fosse respondido unicamente através de uma ajuda de emergência.

"A primeira etapa deveria ser ajudar os pequenos agricultores na África e em outras regiões de pequena receita a aumentar seu rendimento", oferecendo-lhes a tecnologia necessária, indicou Sachs.

O programa mundial de alimentos da ONU busca financiamento para uma ajuda de emergência de 755 milhões de dólares.

Segundo o Banco Mundial, 33 países do mundo estão ameaçados por problemas políticos e desordens sociais como parte do aumento brutal dos preços dos produtos agrícolas e energéticos.

abd/mar/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG