Assessor de McCain desculpa-se por comentários sobre 11/09

FRESNO (Reuters) - Um importante assessor de John McCain, candidato republicano à Presidência dos EUA, pediu desculpas nesta segunda-feira por ter dito que seu chefe seria beneficiado caso ocorresse, antes das eleições nacionais de novembro, um ataque como os de 11 de setembro de 2001. Eu lamento profundamente pelos meus comentários. Eles foram inaprorpiados, disse Charlie Black, em um comunicado divulgado depois de McCain ter afirmado que, se Black deu tais declarações, eu discordo veementemente delas.

Reuters |

'Reconheço que John McCain dedicou toda a sua vida adulta a proteger esse país e a colocar a segurança dele antes de todos os demais interesses', disse o assessor, um dos conselheiros políticos em quem o candidato mais confia.

Segundo a revista Fortune, Black, ao comentar como a segurança nacional era um dos pontos fortes de McCain, disse que 'isso (um outro ataque terrorista em solo norte-americano) certamente representaria uma grande vantagem para ele.'

Uma autoridade do comitê de campanha do republicano afirmou que Black não se lembra de ter dito essa frase específica, mas que não contestava a veracidade da reportagem.

Segundo essa autoridade, o assessor deu aquelas declarações sob o contexto de que a segurança nacional representava sempre um bom tema para a campanha de McCain.

O candidato, ao ser questionado sobre o artigo da revista em uma entrevista coletiva, parecia estar tomando ciência do fato naquele momento.

'Não consigo imaginar um motivo pelo qual ele dissesse isso. Isso não é verdade', afirmou o republicano, acrescentando que, desde os ataques de 2001, havia trabalhado duro a fim de evitar um outro incidente do tipo.

(Reportagem de Steve Holland e Deborah Charles)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG