Assembleia Popular norte-coreana se reúne em plena tensão com a Coreia do Sul

Seul, 7 jun (EFE).- A Coreia do Norte realiza hoje uma atípica sessão da Assembleia Popular Suprema marcada pela tensão com a Coreia do Sul por causa do afundamento em março do navio sul-coreano "Cheonan", que Seul atribui ao regime de Kim Jong-il.

EFE |

Seul, 7 jun (EFE).- A Coreia do Norte realiza hoje uma atípica sessão da Assembleia Popular Suprema marcada pela tensão com a Coreia do Sul por causa do afundamento em março do navio sul-coreano "Cheonan", que Seul atribui ao regime de Kim Jong-il. Pela primeira vez desde 2003, o regime comunista convoca em duas ocasiões em um mesmo ano os 687 membros da Assembleia Popular (Parlamento norte-coreano), depois da sessão de abril passado. Segundo informou a televisão pública sul-coreana "KBS", o Ministério da Unificação da Coreia do Sul tenta averiguar os temas que o Parlamento norte-coreano abordará, enquanto a imprensa sul-coreana vigia possíveis gestos ou decisões orientadas a assegurar a sucessão de Kim Jong-il. Os especialistas acreditam que esta sessão servirá para impulsionar medidas de apoio econômico e para facilitar os investimentos chineses, após um acordo alcançado com o Governo chinês durante a visita do líder norte-coreano, Kim Jong-il, à China em maio. Além disso, o Parlamento norte-coreano poderia dar mais protagonismo a Kim Jong-eun, filho mais novo do líder norte-coreano, e outorgar-lhe um posto de responsabilidade na Comissão Nacional de Defesa, o principal órgão militar norte-coreano. Esta nomeação é esperada pelos analistas, já que seria um sinal de que Pyongyang prepara a sucessão à frente do regime comunista norte-coreano, depois que se informasse que Kim Jong-il, de 68 anos, sofreu um derrame em agosto de 2008. EFE ce/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG