Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Assembléia Constituinte diz que Correa poderá disputar eleições

EQUADOR - O chefe de Estado do Equador, Rafael Correa, não precisa renunciar ao cargo para participar das próximas eleições, que serão convocadas se a nova Carta Magna for aprovada em referendo, disse hoje o segundo vice-presidente da Assembléia Constituinte, César Rodríguez.

EFE |

"Não é necessário" que o presidente Correa renuncie ao cargo para participar das eleições gerais que serão realizadas no final deste ano ou no começo do próximo, disse Rodríguez. A Assembléia Constituinte deve aprovar hoje mesmo o projeto da nova Carta Magna.

Correa "é encarregado do poder e será candidato à Presidência.

Não é necessário que renuncie", porque isso é permitido pela nova constituição, elaborada pela Assembléia, afirmou Rodríguez, após acrescentar que esta medida é utilizada em diferentes partes da Europa e da América.

Sobre a possível confusão que poderia haver se Correa fosse chefe de Estado e candidato presidencial ao mesmo tempo, Rodríguez disse que "tudo é questão de organização".

Rodríguez, que pertence ao movimento governista Acordo País, que é maioria na Assembléia, rejeitou o temor de grupos opositores, que advertem de que o projeto da nova Carta Magna foi elaborado "à medida" de Correa.

No entanto, para o congressista Leonardo Viteri, do opositor Partido Social Cristão (PSC), o fato de o presidente Correa ser chefe de Estado e eventual candidato presidencial representa um "abuso de poder".

Viteri insistiu em que o projeto constitucional é "ditatorial" e que foi elaborado com uma "ingerência grosseira" do Executivo e do movimento Acordo País.

No próximo dia 28 de setembro, os equatorianos irão às urnas para aprovar um projeto de Constituição elaborado há oito meses pelos 130 congressistas da Assembléia.

Leia mais sobre Equador

Leia tudo sobre: equador

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG