Assassino austríaco procurou prostitutas após o crime

Viena, 21 mai (EFE).- O austríaco Reinhard Steinbauer, que assassinou cinco membros de sua família no dia 13, pagou duas prostitutas após cometer o crime.

EFE |

O jornal "News" contou na sua edição de hoje alguns detalhes do fato a partir de relatos de policiais, imagens da câmera de vigilância de um bordel, além de declarações de uma prostituta.

Steinbauer, de 39 anos, confessou ter planejado os crimes com antecedência e, em menos de 12 horas, matou a mulher, a filha de sete anos, seus pais e o sogro.

Segundo a Polícia, o massacre começou às 7h30 com a morte de sua mulher e de sua filha na casa deles no bairro de Hietzing, em Viena.

Em seguida, o criminoso alugou um carro e seguiu para Ansfelden, no estado da Alta Áustria, onde matou os pais.

Mais tarde, Steinbauer viajou para Linz, a 160 quilômetros de Viena, para matar o sogro.

Em todos os crimes, Steinbauer teve o cuidado de tomar banho e trocar de roupa para não chamar a atenção pelas manchas de sangue deixadas pelos assassinatos anteriores.

Steinbauer confessou à Polícia sentir "um grande alívio" após ter matado a família, pois finalmente "Barbara (sua mulher) e Nathalie (sua filha) se livraram da enorme vergonha" por seu fracasso, ao perder o dinheiro da família em investimentos mal-sucedidos na bolsa.

O assassino trabalhava como assessor de vários deputados do Partido Social-Democrata Austríaco no Parlamento da Áustria, mas sua real fonte de lucro era o trabalho na bolsa, com uma carteira de investimentos.

Nesses investimentos especulativos, Steinbauer perdeu seu dinheiro, o de sua mulher e o de outros clientes, tudo isso totalizando cerca de 300 mil euros.

Na caminho de volta à Viena após os crimes, Steinbauer foi a um bordel de luxo, onde entrou às 19h59, segundo as câmeras de segurança do local. O criminoso bebeu água mineral e solicitou os serviços de uma das prostitutas.

Às 20h47, continuou a viagem até Viena e tentou se matar batendo o carro em que estava, mas confessou à Polícia que não teve coragem.

Quando chegou a Viena, às 23h, voltou a solicitar os serviços de uma prostituta, segundo disse à Polícia.

Steinbauer ficou com a prostituta até pouco antes de se entregar à Polícia e confessar os assassinatos, sempre se mostrando convencido se que tinha agido corretamente. EFE ll/wr/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG