Assad não acredita em paz no Oriente Médio com Bush no poder

Por Samia Nakhoul PARIS (Reuters) - O presidente da Síria, Bashar al-Assad, disse que o presidente norte-americano, George W. Bush, não está interessado no processo de paz no Oriente Médio, portanto Assad não espera realizar negociações diretas com Israel até que Bush deixe o poder, em janeiro do ano que vem.

Reuters |

Dando fim a anos de isolamento do Ocidente, Assad encontrou-se no sábado com o presidente francês Nicolas Sarkozy, às vésperas de uma cúpula entre a União Européia e países do Mediterrâneo. Ele indicou seu desejo de melhorar as relações com os dois vizinhos da Síria, Israel e Líbano.

Assad disse que queria que a França desempenhasse um papel em futuras negociações diretas com Israel, mas acrescentou que seria essencial que os Estados Unidos estejam presentes.

'Francamente, este governo norte-americano não está interessado no processo de paz, então a questão (das negociações diretas) não será levantada antes da chegada do novo governo dos EUA', disse Assad na entrevista à imprensa.

Os Estados Unidos realizarão eleições para presidente em novembro e o atual presidente, George W. Bush, deixará o governo em janeiro de 2009.

A Síria lançou negociações indiretas com Israel este ano, sob a mediação da Turquia, para resolver a questão da devolução das Colinas de Gola, capturadas por Israel em 1967.

As últimas negociações diretas entre Israel e Síria foram realizadas, sob mediação dos EUA, há oito anos. Desde então, Washington se mostra relutante em se envolver com Damasco, por causa do papel do país no Líbano e de seus laços estreitos com o Irã.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Rob McInturff, disse no sábado que não estava pronto para reatar o contato com a Síria.

'Nós, ao lado da comunidade internacional, estamos esperando um sinal de que os sírios estejam preparados para renunciar a seu apoio ao terrorismo, agir na coação do fluxo de combatentes para o Iraque, expulsar a liderança de grupos terroristas palestinos da Síria e combater as violações dos direitos humanos', disse ele.

O novo presidente do Líbano, Michel Suleiman, também se encontrou com Assad pela primeira vez em Paris. Os dois países prometeram estabelecer missões diplomáticas pela primeira vez.

Assad também afirmou que não acreditava que o Irã esteja produzindo armamento nuclear, mas queria uma solução política para a questão. Assad prometeu levar as questões de Sarkozy quanto ao programa nuclear iraniano à Teerã.

O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, também estará presente à cúpula, mas Assad disse que não espera encontrá-lo, uma vez que os dois países ainda não iniciaram as negociações diretas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG