Aso é confirmado premiê no Japão e promete pacote

O novo primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, foi confirmado no cargo pelo Parlamento do país nesta quarta-feira e prometeu lançar um pacote com o objetivo de impulsionar a economia do país, especialmente as áreas rurais. Aso disse que vai fazer o que for necessário para dar novo alento à economia japonesa, que vive um momento de dificuldades.

BBC Brasil |

O ex-chanceler também começou a escolher os membros de seu gabinete e anunciou que Shoichi Nakagawa, um conhecido crítico da China, será o seu ministro das Finanças.

"Estou bastante ciente da ansiedade das pessoas quanto à economia, seus meios de sustento e a descrença em relação à política", disse Aso.

"Acho que muitos países estão sofrendo com a crise financeira global, e o fato é que o Japão é um deles, ainda que nós tenhamos ficado apenas levemente feridos em comparação com esses países."

Estratégia

Aso, um nacionalista conservador, deve enfrentar dificuldades para aprovar suas propostas no Parlamento, já que a oposição domina a Câmara Alta.

A situação impediu que o antecessor de Aso, Yasuo Fukuda, aprovasse muitas das propostas que apresentou ao Legislativo - e o ex-primeiro-ministro renunciou no início deste mês, após menos de um ano no poder.

Para tentar resolver isso, a expectativa é de que Aso convoque uma eleição geral, em que tentaria obter um forte respaldo popular para suas medidas.

Segundo o correspondente da BBC em Tóquio, Chris Hogg, a estratégia seria uma aposta de Aso, sem garantias de que ele possa sair ganhando.

Não há necessidade de convocar eleições gerais pelos próximos 12 meses e o partido do novo primeiro-ministro, o Liberal Democrático, é no momento profundamente impopular no Japão. Mas Aso espera que sua indicação ajude o partido a ganhar apoio popular, de acordo com Hogg.

Em uma eleição geral, apenas as cadeiras da Câmara Baixa estariam em disputa, mas Aso acredita que uma vitória convincente indicaria que a população quer que ele implemente mudanças e que a oposição deveria apoiá-lo, segundo o correspondente da BBC.

Leia mais sobre Japão

    Leia tudo sobre: japão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG