Às vésperas das eleições, candidatos tentam ganhar com popularidade de Lula

Jaime Ortega Carrascal. Rio de Janeiro, 2 out (EFE).- Os candidatos a prefeito e vereador dos mais de cinco mil municípios brasileiros concluíram hoje a campanha de rádio e televisão para as eleições de domingo, nas quais a maioria disputa o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

EFE |

Os candidatos dedicaram as últimas propagandas eleitorais para mencionar de forma superficial os problemas que pretendem solucionar e para lembrar aos eleitores o número em que devem votar nas urnas eletrônicas no próximo dia 5.

Segundo a lei eleitoral, a partir de hoje os candidatos não podem fazer propaganda em rádio e televisão, mas está permitida até amanhã a publicação de anúncios na imprensa escrita e na internet.

Com o fechamento gradual das campanhas, a sorte está lançada para os 364.816 aspirantes a Prefeituras e distritos municipais, que durante um mês e meio tentaram mostrar ao eleitorado mais afinidade com Lula para se beneficiar de sua crescente popularidade do que propostas para a administração dos municípios.

"Lula é sem dúvida um dos maiores eleitores do país hoje porque tem alta popularidade", disse à Agência Efe o analista político José Paulo Martins Jr., professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fesp-SP).

Uma pesquisa do Ibope divulgada esta semana mostrou que a gestão de Lula foi aprovada em setembro por 69% da população, um recorde desde que assumiu o poder em 2003.

"O Governo tem um peso importante na hora do voto pelo prestígio do presidente", acrescentou.

Para sair ao lado de Lula, alguns candidatos passaram das críticas aos elogios ao presidente, enquanto outros exibiram fotografias, vídeos ou declarações de apoio antigas.

É o caso do favorito à Prefeitura do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), que foi um crítico de Lula no Congresso e agora garante que está sintonizado com o presidente e com o governador Sérgio Cabral para solucionar os problemas da cidade.

"A aliança entre o governador Sérgio Cabral e o presidente Lula nos permitiu voltar a ver um futuro de esperança", disse Paes em sua última aparição no programa eleitoral.

Em muitos casos a disputa pelo apoio de Lula foi parar nos tribunais, onde alguns candidatos tratam de assegurar o monopólio do uso do nome presidencial.

Em um dos últimos casos julgados, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou hoje María Aparecida Panisset (PDT), aspirante à reeleição como prefeita de São Gonçalo, município vizinho ao Rio, a usar imagens em que Lula a elogia durante um ato público em junho de 2006.

Para Martins Jr., as eleições municipais têm "uma dinâmica própria em termos de alianças partidárias", distinta das nacionais, e isso leva inclusive candidatos opositores a tentar vincular seu nome ao de Lula.

"Com a popularidade que o presidente tem, ninguém quer estar contra ele e esse apoio será decisivo em alguns lugares do país", diz o analista.

Devido às intrincadas alianças tecidas pelo PT com aliados e opositores para estas eleições, Lula deu seu apoio explícito a poucos candidatos.

Dois deles são seus ex-ministros Marta Suplicy, candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, e Luiz Marinho, que visa a governar a vizinha São Bernardo do Campo, berço do movimento sindical que na década do 80 impulsionou Lula à arena política nacional.

Com Suplicy e Marinho, seus amigos pessoais, Lula compareceu a atos de campanha, enquanto em outros casos se manteve à margem para manter o equilíbrio na coalizão governante.

É o caso de Porto Alegre, que durante 16 anos foi governada pelo PT e onde a candidata desse partido, Maria do Rosário, está tecnicamente empatada em segundo lugar com Manuela D'Ávila, do aliado PCdoB.

Um pouco mais atrás nas pesquisas está Luciana Genro (PSOL), filha do ministro da Justiça, Tarso Genro.

"Três mulheres de esquerda acabam dividindo o eleitorado", comentou Martins Jr., que no entanto considera que se houver segundo turno em Porto Alegre, as três se unirão e, certamente, Lula entrará em cena para ajudar a inclinar a balança. EFE joc/ab/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG