As receitas de um bom turista

Nestes tempos de férias e de degradação do meio ambiente, alguns conselhos nunca são exagerados. No caso, sobre como ser um bom turista, ou um turista responsável que se esforça ao máximo para reduzir as repercussões negativas de sua viagem.

AFP |

Respeitoso dos costumes locais, atento para economizar água e para não deixar lixo pelo caminho, ser um ecoturista modelo não é coisa fácil, a começar pela escolha de seu destino: conhecer terras distantes é tentador, mas em geral isso implica ir de avião e, numa mesma distância, um avião emite 300 vezes mais CO2 que o trem.

Por isso, mais vale evitar os longos trajetos e optar por partir com menos freqüência porém por mais tempo.

Para pegar um vôo com consciência tranqüila, o turista responsável pode hoje pensar em compensar as emissões de gases poluentes decorrentes de sua viagem mediante a entrega de uma pequena soma em dinheiro a associações que desenvolvem projetos de reflorestamento ou de energias renováveis.

Antes de partir, o ecoturista deve se informar sobre a cultura e as tradições do país visitado.

A preparação da bagagem é uma etapa importante: reduzir o máximo possível as embalagens, levar creme solar que não dissolve em água para não prejudicar a fauna e flora marinhas, assim como sabão biodegradável para não contaminar as águas do país anfitrião.

Entre os bons investimentos que o bom turista pode fazer estão comprar um carregador de energia solar, levar pilhas recarregáveis para a câmera fotográfica e levar um cantil para evitar o uso de garrafas plásticas.

No país visitado, o turista responsável respeita a natureza, principalmente as reservas florestais e áreas preservadas, e evita assustar ou alimentar os animais selvagens.

Além disso, deve resistir ainda à tentação de cortar flores nas regiões protegidas e se esforçar para não pisar em jardins. O bom turista deve evitar também acampar em áreas que não forem reservadas para camping.

O ecoturista modelo evita o consumo excessivo de água, recurso vital que está se tornando escasso em muito países, tomando banhos rápido por exemplo.

Pode evitar também o uso do ar-condicionado, que consome muita eletricidade e participa do aquecimento climático.

A questão do lixo é essencial em alguns países pouco equipados para eliminá-los. Uma boa medida é carregar sacolas e jogar no lixo somente quando chegar em sua cidade de origem.

Finalmente, o respeito da população local é vital para o turista responsável, que se esforça por adquirir noções do idioma do país visitado.

A compra de lembranças também deve ser feita de modo inteligente. O turista responsável não deve comprar objetos sagrados autênticos, nem animais mortos ou vivos, nem plantas exóticas, e deve prestar atenção para não estimular o comércio de peles, marfim, entre outros, porque ameaçam certas espécies.

pcm.lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG