Argentinos farão protesto na contramão do percurso da tocha

Manifestantes pró-Tibete marcaram uma passeata para esta sexta-feira, no centro de Buenos Aires, na contramão do percurso previsto para a tocha olímpica na capital argentina.

BBC Brasil |

A previsão é de que os manifestantes saiam do Obelisco, símbolo de Buenos Aires, às 13h15, uma hora antes do início do trajeto da tocha, que partirá da Costanera Sur, atrás do Puerto Madero - ponto turístico da capital da Argentina.

"Da nossa passeata não sairá nenhum tipo de violência e não queremos apagar a tocha", disse um dos organizadores da manifestação, Eduardo Bermúdez, à imprensa argentina. "Nosso protesto será pacífico."
O protesto é organizado pelo grupo "Caminho da tocha dos direitos humanos" (em tradução livre) e por seguidores do Falun Gong (movimento espiritual proibido na China) em Buenos Aires.

Reuters
gabi
Ônibus transporta tocha olímpica e delegação
chinesa pelas ruas da capital argentina
A tocha olímpica chegou no fim da tarde desta quinta-feira à capital argentina, única cidade da América do Sul prevista no roteiro de revezamento da chama.

Manifestações contra a China têm acompanhado o trajeto do revezamento da tocha.

Até agora, apenas em duas cidades pelas quais a tocha passou, Almaty (Cazaquistão) e São Petersburgo (Rússia), não houve protestos.

A passagem da tocha foi marcada por protestos em Atenas, Istambul, Paris, Londres e San Francisco.

Segurança

O subsecretário de esportes do governo da cidade de Buenos Aires, Francisco Irarrazábal, disse nesta quinta-feira que o esquema de segurança para a passagem da tocha será maior do que o anunciado anteriormente.

"Os chineses nos pediram mais cuidados, maior precaução ainda. A segurança vai ser muito mais rigorosa do que tinhamos planejado", disse Irarrazábal em entrevista a emissoras de rádio e TV à saída do aeroporto internacional de Ezeiza, logo após a chegada da tocha, protegida por policiais federais e da Aeronáutica.

"É uma pena, porque queriamos que as pessoas pudessem ver bem a tocha passar. Mas será bom assim mesmo para a cidade e para a Argentina. O mundo inteiro verá Buenos Aires", afirmou.

Segundo a emissora C5N, o esquema de segurança contará com 5,7 mil pessoas, incluindo 1,2 mil policiais federais, 1,5 mil policiais da cidade (que não costumam usar armas) e voluntários.

"Os protestos são válidos, mas esse é um assunto distante de nós (reivindicação de liberdade e direitos humanos no Tibete), apesar de que nós também defendemos os direitos humanos", disse Irarrazábal.

Chegada a Buenos Aires

A tocha dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 desembarcou em Buenos Aires depois de sair de San Francisco, nos Estados Unidos, em um avião da Air China.

Cercada por batedores e sirenes, a chama olímpica percorreu localidades da província de Buenos Aires até chegar a um hotel no centro da cidade.

Até o fim da noite de quinta-feira era mantido sigilo sobre o local exato onde a chama foi guardada até ser entregue para o início de seu percurso, nesta sexta-feira.

A previsão é de que o ex-jogador de futebol Diego Armando Maradona seja o primeiro a levá-la, mas se o ex-craque não aparecer, porque estava viajando para o exterior, será substituído por um campeão argentino de vela.

Cerca de 80 atletas, entre eles o jogador brasileiro de vôlei de praia Emanuel e a ex-tenista argentina Gabriela Sabatini, vão levar a tocha por cerca de um minuto e meio cada um, em um percurso 13 quilômetros.

Leia mais sobre olimpíada

    Leia tudo sobre: olimpíada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG