Argentina quase paralisada por temor à gripe suína

O temor ao contágio da gripe suína, que já causou 44 mortos e registra 100.000 pessoas contaminadas, mudou a vida dos argentinos, que estão paralisando cidades, esvaziando escolas, suspendendo festas, limitando espetáculos, deixando hospitais em crise e se isolando em casa.

AFP |

"Tenho medo, como trabalhador e como pai. Mas o que podemos fazer a não ser usar álcool em gel e lavar as mãos toda hora?", disse à AFP Mariano, um empregado do Subte (metrô) de Buenos Aires, de 30 anos, parado junto às catracas que deve controlar e por onde passam milhares de pessoas por dia, muitas sem máscaras.

O metrô de Buenos Aires transporta 1,7 milhão de passageiros por dia.

Na Argentina, a gripe A (H1N1) já provocou 44 mortes, com 2.800 casos confirmados por laboratório, informou nesta sexta-feira o novo ministro da Saúde, o médico sanitarista Juan Manzur.

O ministro estimou que, desde o aparecimento do primeiro caso na segunda semana de maio, chegam a 100.000 as pessoas infectadas pelo vírus H1N1, embora "95% dos que apresentaram os sintomas já tenham se curado".

Nas farmácias de Buenos Aires já é difícil encontrar álcool em gel, recomendado para higienizar as mãos, ou Oseltamivir, droga indicada para combater a gripe suína e que é distribuída aos enfermos gratuitamente nos hospitais.

"Ontem recebemos várias caixas, mas o produto já se esgotou. Levaram tudo", relatou à AFP a farmacêutica Paula Ballesteros, que racionou a venda a um litro por pessoa.

O avanço da epidemia forçou o governo a tomar medidas de prevenção.

"Tomamos as medidas sugeridas pelos especialistas", disse a presidente Cristina Kirchner, fazendo um apelo à "responsabilidade individual e à responsabilidade social" dos argentinos para conter a epidemia.

Segundo economistas, a gripe suína terá um impacto econômico importante na Argentina, que deixará de produzir pelo menos 1 bilhão de dólares em mercadorias, ao que deverão ser somadas perdas milionárias no setor de turismo.

Quase 10 milhões de estudantes de todos os níveis começam na segunda-feira as férias de inverno, que foram antecipadas em duas semanas e ampliadas por 30 dias como forma de tentar limitar os focos infecciosos.

A justiça também antecipou seu recesso, as discotecas fecharam as portas e a maioria dos clubes e centros esportivos interromperam suas atividades.

Só o futebol, esporte mais popular da Argentina, segue seu curso quase normal, já que no próximo domingo se define o torneio Clausura-2009 e dezenas de milhares de torcedores irão ao estádio para a final entre Vélez e Huracán.

Os argentinos se veem obrigados a mudar de hábitos, como evitar o cumprimento com um beijo na face e suspender as rodadas de mate, a tradicional infusão, com um mesmo grupo compartilhando a "bombilla".

Até a Igreja católica recomendou a seus sacerdotes que façam a comunnhão colocando a hóstia na mão dos fiéis e suspendendo a saudação de paz.

A Argentina tornou-se a terceira nação mais afetada em número de mortes pelo vírus H1N1, atrás dos Estados Unidos (127 mortos) e do México (116 mortos), segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

ls/dm/sd/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG