Argentina nega manipulação dos números da gripe

BUENOS AIRES - O novo ministro da Saúde argentino, Juan Manzur, negou neste sábado que tenha escondido informações sobre os números de infectados da gripe no país. As denúncias partiram de organizações e setores da oposição, diante do explosivo avanço da doença.

Redação com EFE |



"Esteve-se trabalhando sobre os dados de pacientes confirmados por laboratório", disse Manzur, ao justificar a grande mudança de números de doentes registrada na Argentina depois das eleições legislativas realizadas no domingo, nas quais o governo saiu derrotado.

No dia 26 de junho, dois dias antes das eleições, o Ministério da Saúde argentino informou que havia 1.587 mil afetados pelo vírus A (H1N1), conhecido como "gripe suína". Na segunda-feira, Graciela Ocaña renunciou à frente da pasta e, em seu lugar, assumiu Manzur, que ontem admitiu que o número de infectados no país poderia chegar a 100 mil.

O ministro, no entanto, negou que, durante a gestão de sua antecessora, tenha havido manipulação de números e negou também ter sido repreendido pela presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, por dizer que "há aproximadamente 100 mil registros" da doença.

Deste número, 2,8 mil contágios foram confirmados em laboratórios, acrescentou o ministro, que insistiu ontem em que, até o momento, a gripe suína deixou 44 mortes no país, embora ONGs elevem as mortes a pelo menos o dobro das informadas oficialmente.

Durante uma entrevista coletiva improvisada, Cristina pediu, nesta sexta-feira, "responsabilidade" e "prudência", e expressou seu mal-estar com a divulgação dos números oferecidos por Manzur.

De acordo com a imprensa local, a ex-ministra Ocaña tinha recomendado há duas semanas que a presidente argentina declarasse emergência sanitária.

O presidente da organização Médicos Sem Bandeiras, Ariel Umpiérrez, considerou que, "sem dúvidas, o governo ocultou os números tanto de infectados quanto de mortos", e opinou que Ocaña deveria ter renunciado "naquele momento, e não esperar o resultado das eleições".

"A falta de informação é parte do problema. A ideia de ter as coisas embaixo do tapete é um erro grave que pode ter tido a ver com as eleições, sem dúvida", disse o deputado da opositora Proposta Republicana Esteban Bullrich.

A Organização Pan-americana de Saúde (OPS) lamentou, nesta quinta-feira, que a epidemia da gripe tenha coincidido com as eleições legislativas na Argentina.

A Argentina só fica atrás nas estatísticas de mortes provocadas pela doença dos Estados Unidos (170) e do México (119).

Entenda:


Leia também:


Leia mais sobre: gripe suína

    Leia tudo sobre: argentinaeleiçõesepidemiagripe suína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG