Argentina espera obter apoio do Grupo do Rio sobre Malvinas

O governo argentino pode conseguir na cúpula do Grupo do Rio, que começou no domingo, apoio da América Latina à sua queixa contra a exploração de petróleo pela Grã-Bretanha nas ilhas Malvinas, segundo o chanceler Jorge Taiana. A presidente Cristina Kirchner deve se reunir com cerca de 30 governantes da região nesta segunda e na terça-feira em Cancún (México).

Reuters |

"Nosso país está conseguindo um importante feito diplomático ao conseguir o aval dos 33 chanceleres participantes da cúpula para que a primeira declaração deste novo fórum regional seja sobre a questão das Ilhas Malvinas e os legítimos direitos argentinos", disse Taiana em nota.

A Argentina, que mantém uma histórica disputa com a Grã-Bretanha pela soberania do arquipélago no Atlântico Sul, reagiu nas últimas semanas depois de conhecer as intenções da empresa Desire Petroleum de prospectar petróleo no entorno das ilhas.

Na terça-feira passada, a Argentina anunciou que navios que atravessarem suas águas rumo às Malvinas deveriam solicitar uma autorização para o percurso.

Mas a Desire disse que manterá suas atividades, afirmando que sua logística não será afetada pelas medidas do governo argentino.

A Argentina exigirá autorizações também para embarcações que sigam para as desabitadas ilhas Geórgia do Sul e Sandwich, igualmente reivindicadas por Buenos Aires.

Especialistas estimam que a área em torno do arquipélago possa conter abundantes reservas de gás e petróleo, embora uma prospecção em 1998 na bacia da ilha Malvina do Norte não tenha resultado em investimentos para a exploração. Até o momento, os dois países não chegaram a um acordo para a exploração conjunta.

Controle das Malvinas

A Grã-Bretanha controla as Malvinas (ou Falklands) desde 1833 e, em 1982, a Argentina causou uma guerra com quase mil mortos, ao tentar ocupar as ilhas militarmente.

Recentemente, funcionários argentinos impediram o embarque de uma carga de tubos num navio procedente das Malvinas, por suspeitas de que a embarcação teria sido usada para levar suprimentos para a atividade petrolífera no arquipélago.

De acordo com a imprensa local, no domingo foi hackeado um site de notícias sobre as ilhas, o Penguin News. Ali teria aparecido o hino nacional argentino, a bandeira nacional e um texto detalhando as razões pelas quais as Malvinas deveriam pertencer à Argentina, e não à Grã-Bretanha.

O Grupo do Rio foi criado em 1986 por meio da Declaração do Rio de Janeiro, firmada por Argentina, Brasil, Colômbia, México, Panamá, Peru, Uruguai e Venezuela. Com os anos, outros países foram se somando ao grupo.

Leia mais sobre Malvinas

    Leia tudo sobre: malvinas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG