Argentina convoca reunião regional sobre gripe suína

A Argentina convocou os ministros da Saúde de Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai para uma reunião na próxima quarta-feira visando analisar a ameaça da gripe suína na região e coordenar medidas para enfrentar a epidemia, informou uma fonte oficial em Buenos Aires.

AFP |

"Os titulares das pastas de Saúde de Bolívia, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai se reunirão na próxima quarta-feira, em Buenos Aires, para analisar a ameaça da Influenza A (H1N1) na região e acertar medidas conjuntas para enfrentar a pandemia", destaca o comunicado.

O ministro da Saúde da Argentina, Juan Manzur, convidou para a reunião seus colegas de Brasil, José Gomez Temporão, Bolívia, Ramiro Tapia, Chile, Alvaro Erazo, Paraguai, Esperanza Martínez, e Uruguai, María Julia Muñoz.

A Argentina é o terceiro país com mais óbitos provocados pela gripe suína, 94, atrás apenas de Estados Unidos, 211, e México, 121.

O país também registra 2.928 "casos confirmados" de gripe suína.

No Cone Sul, o Chile é o segundo país mais afetado, com 25 mortes e 9.549 casos confirmados, seguido por Uruguai, com 9 mortos e 520 casos, Brasil, três mortes e mil casos, Paraguai, 3 óbitos e 500 casos, e Bolívia, com dois óbitos, segundo os últimos relatórios oficiais.

Manzur disse que cada ministro fará um relatório detalhado sobre a situação da epidemia em seu país.

O representante da Organização Pan-Americana de Saúde (OPS) na Argentina, Antonio Pagés, fará uma análise sobre as conclusões da reunião de mais de 50 ministros da Saúde de todo o planeta, realizada recentemente no México, para discutir o avanço da gripe suína.

A agenda de trabalho inclui a coordenação das medidas adotadas por cada país, a provisão de antivirais e o acesso equitativo às vacinas quando estiverem disponíveis, destaca o ministério argentino.

Os ministros também definirão uma estratégia comum sobre a troca de informações envolvendo a pandemia.

Em todo o planeta, a gripe suína ja contaminou mais de 100 mil pessoas, com 440 óbitos, segundo a OMS.

jos/LR/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG