Argentina confirma mais sete mortes causadas por gripe suína

O Ministério da Saúde da Argentina confirmou, nesta terça-feira, mais sete mortes causadas pela gripe suína, aumentando para dezessete o total de vítimas fatais da doença no país. Ainda segundo o ministério, o total de casos confirmados da doença no país é de 1.

BBC Brasil |

294, sendo que 46% dos infectados são crianças e adolescentes com idades entre cinco e 14 anos.

A Argentina é, atualmente, o país com o maior número de mortes relacionadas à gripe suína na América do Sul e o terceiro no mundo, atrás dos Estados Unidos (com 87 mortes confirmadas) e México (113).

"Não é para sermos alarmistas, mas também não podemos minimizar os efeitos deste vírus", afirmou o chefe de medicina do Hospital de Niños de Buenos Aires, Eduardo López.

No Chile, o governo confirmou, nesta terça-feira, a existência de 5.186 casos da doença â¿ um crescimento de quase mil ocorrências em relação à semana passada.

Assim como na Argentina, a maioria dos infectados em território chileno é de crianças e adolescentes (61%) com idades entre cinco e dezenove anos.

O governo chileno ressaltou que 79,1% dos doentes confirmados já se recuperaram. Até o momento, o Chile confirmou sete mortes causadas pela gripe suína.

Viagens
Também nesta terça-feira, o ministro da Saúde do Brasil, José Gomes Temporão, recomendou que brasileiros, principalmente crianças com menos de dois anos, maiores de 60 anos e pessoas com baixa imunidade, adiem viagens à Argentina e ao Chile por causa do surto de gripe suína nesses países.

Um comunicado divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde afirma que a medida foi tomada porque "há um grande número de casos da nova gripe no Brasil de pessoas que voltaram de viagem a esses dois países".

O ministro afirmou que "no Brasil não há transmissão sustentada, mas todos os casos autóctones têm vínculo com infecção contraída fora do país".

Foram confirmados, nesta terça-feira, mais 94 casos de gripe suína no país, elevando o total de infectados para 334. Não foram registradas mortes no Brasil.

Na última segunda-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que reforçará a vigilância nos portos e aeroportos do país devido ao aumento no número de casos de gripe suína nos países vizinhos.

As medidas incluem preenchimento de formulário com dados dos passageiros que chegam ao Brasil.

Pouco depois das declarações de Temporão, o diretor do Serviço Nacional de Turismo do Chile, Oscar Santelices, afirmou que seu país seguiu as orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde), que não recomendou restrições a viagens como forma de evitar a propagação do vírus.

"Para mim, o mais importante é não gerar alarme público diante de um fato menor do que o que vem ocorrendo com outros tipos de gripe que surgem nesta época do ano", afirmou.

Santelices disse ainda que o número de turistas brasileiros que visitam o Chile aumentou em relação ao ano passado.

"Todos os anos chegam ao país 230 mil turistas brasileiros, a maioria no inverno. E continuamos no azul, com crescimento de 4% em relação ao ano passado", afirmou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG