Argentina admite que não soube combater gripe com critério único

Buenos Aires, 12 jul (EFE).- O Governo argentino reconheceu que não soube combater a gripe suína com um critério único e admitiu que a quantidade de mortos pela doença pode ser superior aos dados das informações oficiais, que até o momento informam de 94 vítimas fatais.

EFE |

O ministro da Saúde argentino, Juan Manzur, disse, em entrevista publicada hoje pelo jornal "Clarín" que não se pode tomar "medidas unilaterais" para lutar contra uma pandemia, em tácita alusão a sua antecessora no cargo, Graciela Ocaña, que renunciou no final de junho.

"Não falarei de Ocaña, porque foi muito respeitosa comigo. Neste momento, temos que olhar para frente e impulsionar uma luta em todo o país. Por isso, na segunda-feira passada, nos reunimos com os ministros provinciais e definimos critérios para diagnosticar e tratar a doença", disse.

Manzur insistiu em que está "decidido" a não esconder números em relação à doença e considerou relativa a posição de que a Argentina está entre os países com maior quantidade de mortos pela gripe suína, atrás dos Estados Unidos e do México.

"O número pode chamar a atenção, mas é preciso colocar a informação no contexto. Em julho de 2006, por exemplo, 339 pessoas morreram por causa do vírus sazonal da gripe e esse dado passou despercebido. A gripe mata muita gente a cada inverno", disse.

Afirmou que 40% dos mortos, até o momento, eram pessoas saudáveis e garantiu que nenhum argentino com gripe suína ficará sem tratamento, porque "há antivirais suficientes".

Manzur afirmou que "é provável" que a quantidade de mortos seja superior às 94 mortes confirmadas oficialmente, depois que números extraoficiais indicaram que há mais de 100 vítimas fatais.

Devido à pandemia, a capital e a maioria das províncias decretaram emergência sanitária, além de restringir, e inclusive suspender, as atividades nas escolas, universidades, teatros e tribunais, entre outros.

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE cw/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG