Árabes-israelenses enfrentam polícia em protesto contra passeata da ultradireita

UMM Al-FAHM - Árabes israelenses entraram em confronto nesta terça-feira com policiais que protegiam uma passeata de israelenses direitistas na cidade majoritariamente árabe de Umm Al-Fahm.

Redação com agências internacionais |


Clique para ver o infográfico


Mais de 2,5 mil policiais protegiam cerca de cem manifestantes na passeata, que estava marcada para 2008, durante as comemorações dos 60 anos de Israel, mas foi adiada pela polícia por questões de segurança.

Os residentes árabes encararam o evento como uma provocação e foram às ruas protestar, acompanhados de ativistas israelenses de esquerda.

No confronto com a polícia, os árabes usaram pedras, enquanto os oficiais responderam com jatos d'água e bombas de gás lacrimogêneo e efeito moral.

Uma fonte policial informou que 15 agentes ficaram feridos e três pessoas foram detidas, mas a imprensa de Israel relatou 16 feridos, incluindo um deputado do partido de esquerda laica e pacifista Meretz, Ilan Ghilon.

Reuters
Polícia tenta controlar protesto com bombas de gás lacrimogêneo

Polícia tenta controlar protesto com bombas de gás lacrimogêneo

Os confrontos atrapalharam os planos dos ativistas de extrema direita, que se viram obrigados a realizar a passeata do lado de fora da cidade, antes de voltar para suas casas.

Os árabes-israelenses são descendentes de palestinos que ficaram em sua terra no momento da criação do Estado de Israel, em 1948. A comunidade é formada por 1,2 milhão de pessoas e representa quase 20% da população israelense.

(Com informações de BBC, EFE e AFP)

Leia também:


Leia mais sobre Israel

    Leia tudo sobre: israel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG