Aquecimento global motiva novos radicais americanos

LOUISA, Virgínia - Detido, Paxus Calta levanta os punhos algemados e faz o sinal da paz com os dedos. Seus colegas ativistas o aplaudem enquanto a polícia americana o coloca em um camburão a caminho da delegacia.

AP |

Acordo Ortográfico

Ele queria ser preso, como foi em outros 12 países de três continentes.

Durante duas horas, Calta e outros 19 manifestantes associados ao grupo Rising Tide North America ocuparam o centro de visitantes da Estação de Energia Nuclear North Anna da companhia Dominion.

Ainda que grupos radicais e suas táticas não sejam novidade, a mudança climática lhes oferece uma nova causa.

O Rising Tide não protesta contra a causas do aquecimento global nem a favor de suas soluções. O grupo é contra o carvão limpo, a energia nuclear e a limitação dos índices de poluição com carbono que permite que os poluidores comprem e vendam o direito de poluir (projeto que está em discussão em Washington). Ele desdenha o compromisso e a colaboração entre os Big 10, conjunto de grupos ambientalistas e corporações elitistas, bem como a ideia de que a tecnologia pode salvar o meio-ambiente.

A manifestação na Dominion (que quer construir um novo reator nuclear) foi a última a ser realizada pelo Rising Tide.

"Há muitas formas de cuidarmos da mudança climática. O movimento de ação direta acredita que soluções baseadas no mercado que foram usadas anteriormente são impróprias", disse Calta depois de ser acusado de invasão de propriedade e liberado às 2h sob fiança de US$1.000.

"A alternativa seria deixarmos que as corporações e os governos façam o que sempre fizeram e o matem o mundo", ele disse.

Trajetória

O Rising Tide nasceu na Holanda em 2000, mas o grupo só chegou aos Estados Unidos em 2006. Foi então que um grupo de ativistas envolvidos no Earth First!, um dos primeiros a usar táticas de aproximação como o bloqueio de estradas e acorrentamento a árvores, decidiu que o aquecimento global precisava de mais atenção.

"Nós precisavamos de um grupo focado no clima que não aceitasse negociações... que não faça o que for melhor para os negócios, mas sim o que realmente é necessário para que o ecossistema sobreviva", disse Abigail Singer, que participou dos debates iniciais e é uma das pessoas que coordenam o grupo em todo o país.

Os encontros anuais do grupo atraem centenas de ativistas, anarquistas e organizadores. Os participantes (muitos com 20 e poucos anos) acampam por uma semana, compartilham refeições e aprendem como escalar árvores e outras táticas que podem ajudar durante os protestos.

Calta é um dos veteranos. Um homem alto e magro com cabelos compridos que protesta contra a energia nuclear há 20 anos nos Estados Unidos e exterior.

O primeiro protesto da Rising Tide aconteceu em julho de 2006 em uma usina de carvão em Carbo, Virginia, onde dois ativistas se acorrentaram a um caminhão de carvão e outro suspendeu a si mesmo de uma ponte. Uma das exigências: um movimento nacional contra os combustíveis fósseis.

No começo deste ano o vice-presidente Al Gore pediu a mesma coisa: a nação precisa abandonar os combustíveis fósseis de carbono em 10 anos.

Então, em setembro, ele pediu que os jovens protestassem contra novas usinas de carvão que não têm tecnologia para capturar os gases causadores do efeito estufa.

Os alvos da Rising Tide incluem outros ambientalistas. O grupo chegou a divulgar um release falso à imprensa e a criar um website sob o nome U.S. Climate Action Partnership, uma associação entre corporações e grandes grupos ambientalistas que apoia projetos contra o aquecimento global. A ação dizia que as companhias envolvidas se comprometiam em reduzir suas emissões em até 90%.

"Os radicais não pensam que conseguirão soluções através dos próprios setores sociais que causam os problemas", disse Bron Taylor, que ensina e escreve sobre ambientalismo na Universidade da Flórida.

Grupos conhecidos como Sierra Club, Natural Resources Defense Council e Environmental Defense, pensam que é "essencial transformar o setor corporativo em cidadãos ambientalmente responsáveis", disse Taylor.

Leia mais sobre aquecimento global

    Leia tudo sobre: aquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG