nova guarda - Mundo - iG" /

Apuração parcial aponta Fatah dominado por nova guarda

Belém (Cisjordânia), 11 ago (EFE).- A chamada nova guarda do Fatah obterá pelo menos dois terços das 18 cadeiras do Comitê Central do movimento, como aponta a apuração da maioria dos votos emitidos pelos delegados no congresso dessa facção palestina.

EFE |

O principal órgão de decisão do movimento, criado há quatro décadas por Yasser Arafat, se renovaria assim com nomes como Jamal Muheisen, governador de Nablus, Hussein Isheij, ministro de Assuntos Civis, e Mahmoud al-Aloul.

Segundo fontes do Fatah em Belém, entre as novas caras figura Marwan Barghouti, um dos dirigentes mais carismáticos do Fatah, eleito apesar de cumprir cinco prisões perpétuas em uma penitenciária israelense.

Considerado então sucessor natural de Arafat, Barghouti compartilhará presença no Comitê Central, entre outros, com o antigo "homem forte" em Gaza Mohammed Dahlan.

Uma das maiores surpresas é que um dos pesos pesados da facção, o ex-primeiro-ministro e atual chefe da equipe negociadora palestina, Ahmed Qorei, pode ficar de fora do comitê.

Segundo os resultados parciais, os cerca de 2.350 delegados que participam da conferência na cidade de Belém, na Cisjordânia, excluíram do Comitê Central pelo menos metade dos dez membros da "velha-guarda" que tentavam reeleição.

Em todo caso, a imensa maioria dos, a priori, novos integrantes do órgão diretor compartilha o projeto de Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP) reeleito no sábado para ficar à frente do Fatah nos próximos cinco anos.

Os delegados foram convocados no domingo a escolher entre 96 candidatos o Comitê Central e entre 617 os ocupantes das 80 cadeiras do Conselho Revolucionário, que serve como um Parlamento interno do partido.

Abbas nomeará mais adiante outros quatro representantes no Comitê Central.

Um dos objetivos do congresso, o primeiro em 20 anos e em território palestino, é renovar a cúpula de um partido com uma elevada média de idade entre seus dirigentes.

O Congresso deve fechar esta noite suas portas, após uma série de prorrogações por diferenças entre os delegados, que deixaram sua duração final em sete dias, frente aos três inicialmente previstos.

EFE nm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG