Aprovação a Berlusconi está em queda acentuada, mostra pesquisa

Brigas dentro da coalizão, medidas dolorosas de austeridade fiscal e acusações de corrupção derrubam aprovação de premiê

Reuters |

Brigas dentro da coalizão, medidas dolorosas de austeridade fiscal, acusações de corrupção e escândalos fora do governo levaram as taxas de aprovação do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, a despencarem, mostrou uma pesquisa nesta quinta-feira.

O levantamento publicado no jornal Corriere della Sera mostrou a taxa de aprovação de Berlusconi em 41%, contra 50% há cerca de seis semanas.

Reuters
Denúncias de corrupção e escândalos marcam o governo Berlusconi
A sondagem, feita pelo grupo de pesquisas ISPO, mostrou que 57% dos entrevistados tem uma opinião negativa sobre a capacidade de Berlusconi governar, contra 48% na última semana de maio.

O levantamento levou a popularidade de Berlusconi para o mesmo nível registrado pelo jornal esquerdista La Repubblica. A sondagem da ISPO mostrou que a popularidade do magnata da mídia de 73 anos sofre até mesmo entre simpatizantes tradicionais da centro-direita. Nesta categoria, ele perdeu sete pontos percentuais em seis semanas.

Nas últimas semanas, Berlusconi tem enfrentado problemas em várias frentes o que o tornou mais vulnerável do que em qualquer outro momento desde que tomou posse em 2008.

O governo decidiu convocar votos de confiança em ambas as casas do Parlamento para impulsionar um orçamento focado na austeridade de 25 bilhões de euros que, segundo críticos prejudica os trabalhadores e poupa os ricos.

Com cortes drásticos nos recursos de prefeituras e regiões, as medidas de austeridade também dividiram a centro-direita. Parlamentares da coalizão de Berlusconi propuseram 1.250 emendas ao pacote para torná-lo mais palatável a eleitores locais, mas o governo tem se recusado, na maioria dos casos, a fazer mudanças.

O levantamento mais recente apontou que a queda na popularidade do premiê se deve em parte à saga de Aldo Brancher, amigo de Berlusconi recém nomeado por ele "ministro do federalismo". Brancher enfrenta acusações de desfalques financeiros.

O primeiro ato dele foi usar uma nova lei que dá aos ministros o direito de não comparecerem a julgamentos em que são réus, o que gerou suspeitas sobre as razões que levaram à sua nomeação. Brancher renunciou na segunda-feira, 16 dias após assumir.

Festa com mulheres no Brasil

Na última semana, Berlusconi se envolveu em mais uma controvérsia ao participar de uma festa com apresentação de "pole dance" em São Paulo.

ARQUIVO PESSOAL
Dançarina Alexandra Valença posa para fotos na suíte de Berlusconi em São Paulo
A festa privada em que Silvio Berlusconi, de 73 anos, participou com seis dançarinas brasileiras é a mais recente controvérsia do primeiro-ministro italiano, que tem um amplo história de escândalos. O jantar incluiu uma apresentação da sensual "pole dance" (dança do poste), que ficou famosa na novela "Duas Caras", da Rede Globo, com a atriz Flávia Alessandra.

Por meio de uma nota, o governo italiano negou que o premiê tenha participado da festa, que foi revelada na edição de quinta-feira do jornal O Estado de S.Paulo. Segundo a nota, "foi organizado um breve espetáculo de folclore típico com a participação de alguns artistas brasileiros".

No entanto, a dançarina Alexandra Valença, de 28 anos, confirmou ao iG por telefone que dançou para o político em sua suíte no hotel Tivoli São Paulo Mofarrej. Alexandra, que ganhou R$ 2 mil pela apresentação, é especialista em pole dance, e foi a responsável pelas aulas da Flávia Alessandra nas cenas da novela da Globo.

    Leia tudo sobre: ItáliaSilvio Berlusconi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG