Apreensões do Governo equatoriano não cobrem total de perdas

Quito, 12 jul (EFE).- Os 195 bens que o Estado equatoriano expropriou na terça-feira passada do Grupo Isaías só poderiam cobrir cerca de um terço das perdas atribuídas ao fechado banco Filanbanco, associado a esse grupo de comunicação, assegurou hoje o presidente do Equador, Rafael Correa.

EFE |

Em seu programa semanal de rádio, Correa disse que "os bens apreendidos provavelmente não somam mais que US$ 200 milhões", e lembrou que as perdas do Estado e dos depositantes totalizam US$ 661,5 milhões.

Na terça-feira passada, a estatal Agência de Garantia de Depósitos (AGD) apreendeu 195 empresas do grupo Isaías, entre as quais figuravam vários meios de comunicação como os canais de televisão "TC-Televisión", "Gamavisión" e "Cable Noticias" (CN3).

A AGD procura recuperar o dinheiro que o Estado destinou a cerca de 20 bancos que sofreram intervenção após a crise financeira que o Equador enfrentou entre 1998 e 1999, considerada a pior da história do país e que lhe custou aproximadamente US$ 8 bilhões.

A estatal investiga o suposto desvio de dinheiro do Estado entregue ao Filanbanco, cujos proprietários eram os irmãos Roberto e William Isaías, que foram extraditados dos Estados Unidos por solicitação do Equador.

Correa advertiu hoje que será "impossível" recuperar todo o dinheiro perdido no caso Filanbanco e apontou que é preciso privatizar "o mais rápido" possível os bens apreendidos, pois "o Estado é um mau administrador".

Embora a Junta Bancária estime que as perdas no caso Filanbanco cheguem a US$ 661,5 milhões, o jornal "Hoy" publicou que os prejuízos passariam de US$ 2,668 bilhões, segundo dados da AGD.

Correa também lamentou a renúncia de Fausto Ortiz, que até a segunda-feira passada era ministro da Economia.

José Toledo, designado vice-presidente nacional de notícias da "Gamavisión", espera a pronta venda desses meios de comunicação, segundo a edição de hoje do jornal "El Comercio".

Por sua vez, o Conselho Nacional de Rádio e Televisão estuda o processo de renovação das freqüências a esses dois canais perante a possibilidade de que tenham produzido irregularidades. EFE sm/ab/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG