Vítimas de massacre aparecem vivas na Bolívia - Mundo - iG" /

Vítimas de massacre aparecem vivas na Bolívia

Três pessoas que haviam sido dadas como mortas durante o chamado massacre de Pando, no norte da Bolívia, em setembro do ano passado, apareceram vivas nesta quinta e nesta sexta-feira, dando entrevistas a emissoras de TV do país. Os três bolivianos haviam sido incluídos em uma lista de dezenove mortos no massacre, compilada após uma investigação da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) que foi convocada pelo presidente do país, Evo Morales.

BBC Brasil |

Vicente Rocha Rojas, Luis Eduardo Zabala e Nestor Silva Rivero moram em Cobija, capital do Departamento (Estado) de Pando, vizinho do Estado brasileiro do Acre.

Segundo a imprensa local, durante o incidente, Zabala e Rojas se "refugiaram" no lado brasileiro da fronteira, enquanto Rivero foi localizado em sua casa, em Cobija.

O representante da Unasul, Luciano Fouilliox, do Chile, disse que devido à "metodologia criada às pressas, não se descarta que possam ter ocorridos erros".

O episódio em setembro marcou o clímax da tensão entre o governo do presidente Morales e seus opositores.

As mortes levaram o governo Morales a decretar estado de sítio no local e determinar a prisão do prefeito (governador) de Pando, Leopoldo Fernández.

Comissão

Também nesta sexta-feira, a Comissão Especial de Promotores do Ministério Público, que também investiga o caso, informou que tem documentos confirmando a morte de treze pessoas no episódio, ocorrido na cidade de El Porvenir, em Pando.

"O Ministério Público contabilizou treze mortos, confirmados com atestados de óbito. Mas existem informações de que o número de mortos poderia ser maior e estamos investigando onde eles podem ter sido enterrados ou quem são seus familiares", disse o advogado Eduardo Morales, que integra a comissão.

Na quinta-feira à noite, no fechamento da campanha para o referendo deste domingo sobre a nova Constituição, o prefeito (governador) de Santa Cruz, Rubén Costas, opositor de Morales, pediu à multidão que gritasse "liberdade para Fernández", em uma referência ao prefeito de Pando, que está preso.

O governo Morales acusa Fernández de ser o responsável pelo massacre. Naquele período, violentos protestos provocaram explosões em um dos gasodutos que envia gás para o mercado brasileiro.


Leia mais sobre Bolívia

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG