Hezbollah tem força paralela em aeroporto de Beirute , diz oficial - Mundo - iG" /

Hezbollah tem força paralela em aeroporto de Beirute , diz oficial

O Hezbollah teria uma esquema de segurança paralelo ao do governo libanês no aeroporto de Beirute - principal porta de entrada e saída de estrangeiros do Líbano. A informação foi passada à BBC Brasil por um oficial das Forças de Segurança Interna (FSI) que trabalha no aeroporto.

BBC Brasil |

Segundo ele, o grupo xiita conta com um forte aliado, o general xiita Wafic Choucair, que chefia o departamento responsável pela segurança do aeroporto, uma instituição governamental.

"Com a influência de Choucair, o Hezbollah tem inclusive militantes seus passando por funcionários da segurança na área de desembarque de passageiros. Todos são controlados, principalmente estrangeiros", disse o oficial.

"Não é segredo o Hezbollah controlar o aeroporto, quando o governo tentou mudar isto, aconteceram aqueles confrontos de maio", acrescentou o oficial.

Em maio deste ano, o governo emitiu uma ordem retirando Choucair do cargo por causa de suas relações com o Hezbollah. A medida foi uma das causas de prostestos do grupo que logo descambaram para a violência, deixando 65 mortos e 200 feridos.

O governo acabou voltando atrás na decisão e reintegrou o general ao seu posto no aeroporto. Um acordo de paz foi depois alcançado entre os dois lados, intermediado pelo governo do Catar.

Estratégico

Um 'comandante' do Hezbollah, Bilal D., é responsavel pela segurança em dois bairros xiitas localizados nas imediações do aeroporto.

Ele negou que o grupo tenha uma estrutura de segurança paralela dentro do aeroporto. Mas confirmou que o Hezbollah tem aliados dentro e que usa sua influência junto à segurança comandada por Choucair.

"O Hezbollah não seria o que é hoje se não tivesse os olhos lá dentro. O aeroporto é estratégico para a resistência pois muitos estrangeiros a serviço dos nossos inimigos entram por lá", declarou ele.

O analista político Sami Saad disse que o governo libanês há muito tempo tenta neutralizar, sem sucesso, o poder paralelo do Hezbollah sobre o aeroporto.

"O Hezbollah controla quem entra e quem sai. Aos olhos deles, as forças de segurança não são confiáveis porque o grupo simplesmente não confia neste governo de que agora ele mesmo faz parte", disse Salhab.

Brasileira

Na semana passada, a brasileira Nariman O. C. e seu filho foram impedidos de embarcar de volta ao Brasil devido a uma ordem expedida por um tribunal religioso de Baalbek, cidade que é forte reduto do Hezbollah.

Ela tentou sair do país para fugir do marido, o libanês Ahmed Holeihel, que seria um simpatizante do Hezbollah. Segundo Nariman, Holeihel a espancava constantemente e a ameaçava de morte.

O documento do tribunal de Baalbek não era considerado oficial pelo governo mas, de acordo com uma fonte das FSI ouvida pela BBC Brasil, o Hezbollah encaminhou a ordem para a segurança do aeroporto, colocando-a no sistema e impedindo a brasileira e o filho de deixarem o Líbano.

Enquanto o consulado e um adovgado tentam resolver a situação, Nariman e o filho permanecem escondidos.

Para Saad, o fato de que o nome da brasileira constasse na lista de impedidos de viajar e o envolvimento do Hezbollah em encaminhar uma ordem dada por um tribunal a pedido do marido não é nenhuma surpresa.

"Não é a primeira vez que isso acontece. A força do Hezbollah para ditar as normas e burlar as leis dentro do Líbano é muito grande".

Leia mais sobre: Hezbollah

    Leia tudo sobre: hezbollahlíbano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG