Após vazar na imprensa, disco de Carla Bruni é antecipado

O lançamento do novo disco da primeira-dama da França e cantora Carla Bruni Sarkozy foi antecipado para esta sexta-feira depois que a imprensa francesa vazou as letras de algumas músicas. Com medo de que o público ficasse saturado antes mesmo do disco chegar às lojas, no dia 21 de julho, a gravadora Naïve decidiu adiantar seu lançamento.

BBC Brasil |

Comme si de rien n'était (Como se não fosse nada) é o terceiro disco da cantora. Bruni escreveu a maioria das letras das 14 músicas do álbum (12 em francês, uma em inglês e uma em italiano).

Desde quarta-feira, o site oficial da cantora permite ouvir gratuitamente, até o próximo dia 21, as faixas do novo CD. O internauta precisa, no entanto, preencher uma longa ficha de inscrição.

Enquanto o primeiro álbum da ex-top model, Quelqu'un m'a dit (Alguém me disse), que vendeu 1,2 milhão de exemplares e privilegiou apenas o estilo voz e violão, o novo disco traz arranjos musicais bem mais sofisticados, com melodias no estilo pop, folk, blues e até mesmo um pouco country.

Mas no geral, a cantora mantém em Comme si de rien n'était o estilo de músicas intimistas já presente no primeiro disco.

Amor por Sarkozy
As letras do terceiro álbum, com tiragem inicial de 100 mil exemplares, evocam principalmente o amor ou o tempo que passa.

Músicas românticas como Ta tienne (que poderia ser traduzido como "Eu sou tua"), ou Tu es ma came (Você é minha droga), estão sendo associadas à sua relação com o presidente Nicolas Sarkozy.

A música Tu es ma came, que faz referências à cocaína colombiana e à heroína do Afeganistão, causou um incidente diplomático mesmo antes do lançamento do disco, provocando protestos do governo da Colômbia.

O terceiro álbum de Bruni vem provocando reações diversas na mídia e também no público francês.

Em blogs e fóruns na internet, muitos franceses criticam a mega-repercussão do CD na imprensa do país e também associam diretamente a cantora ao presidente Sarkozy, que teve forte queda de popularidade nas pesquisas de opinião.

A imprensa também está dividida em relação ao terceiro álbum de Bruni.

"Na realidade, o novo disco tem charme. Todos que o ouvirão - sem preconceitos, se possível - encontrarão as doces sensações provocadas em 2002 por seu primeiro disco", escreve o jornal Le Parisien.

O crítico musical do jornal Le Monde elogia duas faixas do disco, a música Il vechio e il bambino, do anarquista italiano Francesco Guccini, e a regravação da música You Belong to me, de Bob Dylan. Mas diz que todo o restante do disco é repleto de banalidades.

"Apenas músicas francesas, com tradição menos realista em sua leveza, não correspondem tão bem à senhora Bruni-Sarkozy. Ela as torna mesmo superficiais. Além disso, há essa insuportável cópia pálida de Barbara (cantora francesa) na música Déranger les pierres (Incomodar as Pedras)", escreve o jornal.

"Da Itália, ela herdou essa maneira que permite existir uma voz que, na realidade, não existe", diz o Le Monde.

O título Comme si de rien n'était é uma homenagem a uma fotografia tirada por seu irmão Virginio, falecido em 2006.

O novo álbum de Bruni foi gravado em um estúdio em Paris. A primeira-dama informou que a renda arrecada com a venda do disco será revertida a uma instituição de caridade francesa.

Bruni já declarou que não irá fazer shows enquanto seu marido for presidente da França.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG