Após susto, pais conseguem falar com filha na Nova Zelândia

Dalila Mendes ficou 24 horas desaparecida, e pais temiam que ela estivesse entre os mortos. A estudante está bem e fora de perigo

Wilson Lima, iG Maranhão |

Após ficar mais de 24 horas sem comunicações com os pais, a estudante brasileira Dalila Áurea Fernandes Mendes Chagas, de 25 anos, que mora na Nova Zelândia, voltou a manter contato com os pais, que moram no Maranhão. Ela passa bem e está abrigada na cidade de Auckland, a maior da Nova Zelândia. Na noite desta terça, os pais temiam que ela estivesse morta .

Os pais perderam a comunicação com a estudante instantes após o terremoto de 6,3 graus de magnitude que atingiu a cidade de Christchurch, Nova Zelândia. Pelo menos 75 pessoas já morreram após os tremores. Eles temiam que a estudante pudesse estar na lista das pessoas desaparecidas.

Segundo o pai da estudante brasileira, José Mendes, ela restabeleceu contato já no final da noite de terça-feira. A estudante contou aos pais que, após os terremotos, vários brasileiros passaram a ter dificuldades em passar informações para seus familiares. “Ela está bem e, graças a Deus, nada de ruim aconteceu”, relatou Mendes.

Até esse contato de ontem, os pais de Dalila mantiveram contato com ela apenas na segunda-feira à noite. Aos pais, ela contou que, apesar de morar em Auckland, iria para Christchurch justamente no dia em que ocorreram os terremotos. Após isso, o celular de Dalina estava sempre fora da área de serviço.

A estudante brasileira vive na Nova Zelândia com o marido Leonardo Chagas, e uma amiga, identificada apenas como Luciana. Todos estão fora de perigo. Ela mora na Nova Zelândia há aproximadamente um ano e faz parte de um programa de pós-graduação. “O clima na região começa a ficar normal, pelo que ela me contou”, finalizou Mendes.

    Leia tudo sobre: Nova ZelândiaChristchurchterremoto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG