Llorenti diz ter tomado decisão para evitar instrumentalização política da intervenção contra indígenas que provocou ira popular

Ministro do Interior Sacha Llorenti renunciou ao cargo nesta terça
AP
Ministro do Interior Sacha Llorenti renunciou ao cargo nesta terça
O ministro do Interior da Bolívia, Sacha Llorenti, renunciou ao seu cargo na noite desta terça-feira em meio a crise instaurada no governo boliviano depois da violenta repressão policial a uma marcha indígena que protestava contra a construção de um trecho de uma rodovia que cruzava seu território. "Vou me defender das acusações. Faço pública a decisão de renunciar", disse Llorenti. "Não abandono o barco porque está afundando, pelo contrário, dou um passo com o humilde objetivo de que o barco do processo revolucionário avance com maior rapidez".

Segundo o jornal boliviano La Razón, Llorenti, que garantiu que Evo Morales concordou com sua demissão, disse também que havia tomado essa decisão para não se "converter em um instrumento da direita e da oposição que pretende atacar o processo e prejudicar a imagem no presidente".

Llorenti é uma das várias autoridades do governo boliviano a se demitir desde a intervenção policial de domingo, que provocou inúmeros protestos nas ruas da Bolívia, além da convocação de uma greve geral prevista para quarta-feira. A ministra da Defesa Cecilia Chacón renunciou na segunda-feira e assim o fez a diretora Nacional de Migração, María Renée Quiroga.

Horas antes de pedir demissão, Sacha Llorenti havia afirmado à imprensa que nem ele nem o presidente Evo Morales tinham sido responsáveis pela ação policial. De acordo com o agora ex-ministro, o vice-ministro do Interior, Marcos Farfán, teria dado a ordem . Diante da acusação, Farfán também renunciou ao seu cargo, mas em sua carta de demissão, garantiu não ter sido o mandante da violenta repressão.

A repressão policial contra os nativos da Terra Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (TIPNIS) desatou a ira de sindicatos urbanos, estudantes e organizações cívicas regionais, estimulando uma onda de protestos por todo o país, incluindo marchas, greves de fome e a convocação de uma greve geral.

Evo anunciou na noite de segunda sua decisão de suspender a construção da estrada de 300 km que cruzará o TIPNIS, na região central do país, até que seja realizada uma consulta popular, mas a decisão não convenceu os manifestantes. Os protestos se multiplicaram, e o que era um movimento contra a estrada tornou-se uma contestação ao próprio presidente socialista.

A construção da rodovia, que ocupará 12 mil km² da área indígena onde vivem 15 mil habitantes, ficou a cargo da empresa brasileira OAS e, segundo o governo boliviano, permitirá uma conexão entre o Pacífico e o Atlântico e beneficiará Brasil, Bolívia e Peru. Apesar da suspensão concedida pelo presidente, indígenas contrários à construção se organizam para reiniciar sua marcha de protesto em direção a La Paz

"O fato de o presidente solucionar o primeiro ponto não quer dizer que tenha saído do problema, vamos continuar", afirmou à AFP o deputado indígena Pedro Nuni, um dos líderes da marcha. Para Nuni, a decisão do governante "não é uma garantia", porque os indígenas não querem a suspensão da obra viária, mas seu cancelamento definitivo. "Dissemos e repetimos: não queremos que essa estrada exista", ressaltou.

Nuni afirmou que ainda não há uma data para o reinício da caminhada porque primeiro é preciso encontrar os indígenas que estão desaparecidos, que, segundo sua colega Blanca Cartagena, "somam cerca de 20, entre adultos e crianças". "Primeiro de tudo: nos ajudem a encontrar nossos irmãos para depois ver que ação vamos tomar", afirmou.

Na operação policial para conter o protesto dos 1,5 mil indígenas, 500 agentes atacaram com gás lacrimogêneo e cassetetes o acampamento, amordaçaram os dirigentes e as mulheres, e levaram dezenas deles em ônibus e caminhonetes para cidades vizinhas.

A situação sobre os desaparecidos ainda é incerta em San Borja e Rurrenabaque, já que os nativos asseguram que há ao menos duas crianças e quatro adultos mortos, embora o governo tenha desmentido essa informação.

Em Rurrenabaque e San Borja os nativos estão em sedes abertas da Igreja Católica. Ali, dormem, descansam e comem com a assistência da prefeitura local e de grupos civis.

BNDES

Um empréstimo de US$ 332 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) previsto para ser feito à construção ainda não foi efetuado. De acordo com o BNDES, nenhum desembolso visando financiar importações de equipamentos e serviços brasileiros foi realizado até o momento.

O BNDES garantiu também que aguardará a decisão do governo da Bolívia sobre a continuidade ou não da construção da estrada. O financiamento foi aprovado no fim do ano passado e contratado no começo desse ano e a obra teve início em junho.

Segundo o jornal boliviano La Razón, a Administradora Boliviana de Rodovias (ABC, sigla em espanhol) ainda não informou à OAS sobre a paralisação, informou Pablo Siles, representante da empresa. Segundo Siles, os trabalhos nos dois trechos seguem enquanto não houver uma instrução que diga o contrário. "Estamos esperando um comunicado oficial da ABC para que também nos digam de forma direta e oficial" sobre o que fazer em relação a obra.

Crise

O presidente Evo recebeu fortes críticas pela ação policial, embora tenha afirmado que nunca instruiu os militares a recorrer à violência, e que inclusive a condenou.

Protestos contra a repressão policial tomaram conta das ruas de La Paz (26/9)
Reuters
Protestos contra a repressão policial tomaram conta das ruas de La Paz (26/9)

A Central Operária Boliviana (COB), que reúne todos os sindicatos de operários, convocou uma greve geral de 24 horas para quarta-feira. O líder dos trabalhadores da Saúde, José Gonzales, afirmou: "Na COB estamos consternados com esse brutal ataque por parte da polícia contra os irmãos indígenas, que nos lembraram o estilo dos governos ditatoriais, o estilo dos governos neoliberais."

Já a Central Operária Departamental de Potosí anunciou que realizará um referendo para revogar o mandato do presidente Morales e de seu vice-presidente, Alvaro García.

A ministra do Desenvolvimento Produtivo Teresa Morales defendeu nesta terça-feira o presidente Morales, afirmando que ele não ordenou a repressão militar e reiterou a vontade de que uma comissão nacional e internacional de direitos humanos investigue o que ocorreu no país.

Analistas ressaltaram que em menos de um ano o presidente Morales precisou recuar duas vezes. Isso ocorreu em dezembro com uma alta de 83% do preço da gasolina e agora com o anúncio de suspender a construção da estrada, em ambos os casos pelas pressões de suas bases sociais de esquerda.

Com AFP, AP, EFE e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.